Nacional

Crocodilo mata menor de dez anos

Uma criança de dez anos perdeu a vida no distrito de Vanduzi, província de Manica, depois de ter sido atacada por um crocodilo nas margens do rio Pungué-sul, na passada terça-feira quando tirava água naquele curso de água. A vítima em vida respondia pelo nome de Airine Tomás, e estava sozinha no momento da ocorrência.

Depois de ser sacudida pelo animal para água desapareceu e neste momento decorrem trabalhos envolvendo quase toda comunidade para sua localização. Até sexta – feira o corpo da vítima ainda não havia sido encontrado.

 Algumas testemunhas que falaram ao domingo afirmam que a criança saiu de casa sem o conhecimento dos seus pais. Por volta das dez horas ouviram gritos de pessoas que na altura do incidente estiveram próximas do local, mas o socorro chegou demasiado tarde, a menor já havia sido levada pelo crocodilo. 

Os ataques por aqueles animais estão a aumentar naquela região, segundo contaram as mesmas testemunhas. Esta é a sexta pessoa a ser atacada este ano. Deste número, quatro perderam a vida e duas contraíram ferimentos que mereceram cuidados intensivos nas diferentes unidades sanitárias da província. Um dos jovens perdeu alguns membros, o que o impossibilita neste momento de desenvolver a sua vida normalmente. 

A falta de fontes de abastecimento de água na região está na origem destes ataques. Não obstante, o rio Púnguè-sul  é a única salvação para os residentes daquele povoado e é  também o habitat preferido dos crocodilos.

Para minimizar ou mesmo acabar com o problema, aqueles residentes defendem que ao governo deve criar condições mínimas, colocando fontes de abastecimento do precioso líquido. “ É uma situação que está a semear terror a cada dia que passa. Os nossos filhos e esposas já não podem ir ao rio sozinhos para buscar água, lavar a roupa ou mesmo tomar banho. Por vezes nós pais temos que deixar tudo que temos por fazer para acompanhar a família. Isso é muito complicado. O governo já sabe disso, mas até agora nada é feito para que tenhamos fontenários, referiu um dos residentes de Púnguè-sul.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos Relacionados

Botão Voltar ao Topo