Nacional

Projecto cinco mil casas gera polémica

Os residentes dos bairros de Intaka, Mali e Boquisso, locais abrangidos pelo projecto das cinco mil casas, dizem que nunca foram consultados pelas estruturas municipais daquela urbe 

sobre o projecto daquelas casas. E mais: alguns residentes dizem que as suas parcelas de terra estão a ser invadidas pelos chineses, que querem construir as casas.

Os residentes acusam as autoridades municipais de lhes ter excluído do processo, apesar de os ‘donos’ daquelas terras possuírem o Direito de Uso e Aproveitamento de Terra (DUAT), atribuído pelo próprio Conselho Municipal da Cidade da Matola.

Entretanto, já estão concluídas as primeiras seis casas modelo e não só. As residências-modelo são do tipo I, II, III e IV e têm a utilidade de permitir aos interessados e ao Fundo de Fomento para Habitação (FFH) avaliar os custos do material a ser gasto nas obras, e, por conseguinte, os preços definitivos dos imóveis que ocuparão um espaço estimado em cerca de 300 hectares.

Numa ronda efectuada pela nossa Reportagem naquele bairro, constatamos um descontentamento no seio dos jovens nativos, face à atribuição de habitação no projecto cinco mil casas. 

António Mondlane, morador daquele bairro, disse ao domingo que os preços dos imóveis deviam ser razoáveis, de modo a que qualquer jovem daquela zona conseguisse comprar independentemente do estrato social.

“Gostaríamos que as autoridades competentes reservassem quinze residências e vendessem-nos a um valor simbólico, uma vez que a capacidade financeira de um jovem nativo e dum proveniente da cidade de Maputo não é a mesma”, rematou.

No que tange à distribuição de alguns imóveis a jovens locais, Piris José, secretário do bairro, disse que na última reunião que tiveram com o chefe de posto, este garantiu que esse assunto ainda está a ser discutido nos órgãos superiores da província e não só.      

“Somente posso adiantar que as infra-estruturas vão servir para acolher os moradores de Intaka e dos bairros circunvizinhos, para além de diferentes interessados, com prioridade para jovens.”, referiu.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos Relacionados

Botão Voltar ao Topo