Desporto

Acontecimento do Ano: Campeonato Africano de Basquetebol

A Selecção Nacional de Basquetebol sénior feminino alcançou uma prestação vitoriosa no Campeonato Africano da modalidade disputado no mês de Setembro passado, em Maputo, sendo a Figura Desportiva do Ano para a redacção do domingo.

No Afrobasket, Moçambique conquistou a medalha de prata e qualificou-se pela primeira vez para o Campeonato do Mundo da modalidade, a ter lugar próximo ano, na Turquia.

Foi uma actuação conseguida por força duma dedicação e entrega das doze jogadoras seleccionadas. Sob a direcção técnica de Nazir Salé, Moçambique ultrapassou adversários à primeira favoritos ao pódio, coo são os casos da Nigéria e Camarões.

A turma moçambicana só perdeu o jogo da final frente a Angola, no período do prolongamento, por 64-61, numa prova que registou um início avassalador.

No jogo da estreia, com o público ainda céptico da capacidade da turma moçambicana, o conjunto orientado por Nazir Salé atropelou o Egipto (105-53) e Zimbabwe (117-28), para depois vencer Argélia (67-43), Costa do Marfim (56-41) e Senegal (77-61), tendo o último desafio da primeira fase sido o mais equilibrado de todos.

Nos quartos-de-final, já com o pavilhão de Maxaquene a rebentar pelas costuras, a vítima foi a Nigéria (77-74), antes de nas meias-finais vencer os Camarões (61-57) e garantir a qualificação ao “Mundial” da Turquia.

Nas contas finais do “Afrobasket”, Moçambique ainda viu a experiente base Deolinda Ngulela ser seleccionada para o “cinco ideal” da competição.   

Na semana da festa africana em Maputo, o basquetebol demonstrou o seu poder e papel na consolidação da unidade nacional, da auto-estima e da cultura de paz.

A inédita qualificação para o “Mundial” aconteceu num dia especial: o dia 29 de Setembro de 2013, data do octogésimo aniversário do Presidente Samora Machel, o proclamador do hastear da bandeira nacional e primeiro presidente de Moçambique, livre e independente.

No fim do evento, o Chefe do Estado, Armando Guebuza, disse que as jogadoras foram heroínas a todos os níveis.

“Vocês foram, a todos os títulos, heroínas nesta Pátria de Heróis. Superaram barreiras para realizar a missão que vos tinha sido incumbida e mostraram que estavam imbuídas de auto-estima e, por conseguinte, assumiam que não eram quaisquer no recinto dos jogos, que não estavam ali apenas para participar e trocar experiências. Moçambique ficou com a Medalha de Prata, mas a actuação destas nossas briosas jogadoras foi de ouro”, disse o Presidente

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Artigos Relacionados

Botão Voltar ao Topo