Sociedade

Mortalidade continua a preocupar a Saúde

O Ministério da Saúde (MISAU) diagnosticou no ano passado, na cidade de Maputo, um total de seis mil e 191 pessoas com tuberculose (TB), contra cinco mil e 976 casos ocorridos em 2012.

A tuberculose é uma doença infecciosa e tida como inimigo público número um, no nosso país. Das 36 unidades sanitárias existentes na cidade de Maputo, 29 são centros de saúde, e, deste universo, apenas 24 implementam a estratégia do Ministério da Saúde (MISAU) de Tratamento de Observação Directa (DOTS). Isto é, o paciente toma a medicação (comprimidos) sob o olhar atento do profissional da Saúde.

De acordo com a médica chefe da Direcção Nacional de Saúde da Cidade, Alice Abreu, a preocupação, no momento, está relacionada com o crescente número de óbitos que têm estado a acontecer na cidade de Maputo.

Para Alice Abreu, esta dura realidade está associada a vários factores, nomeadamente, as doenças oportunistas, a chegada tardia ao Centro de Saúde, e à associação com o HIV e Sida”.

Segundo apurou o domingo, todo o indivíduo com tuberculose e portador do vírus da Sida tem atendimento prioritário. “No acto de testagem da tuberculose, o doente é automaticamente submetido à testagem de HIV e Sida. Caso seu estado serológico se revele positivo, este inicia com o tratamento da tuberculose e duas semanas depois é também administrado o tratamento contra o HIV e Sida”, disse.

 

TUBERCULOSE RESISTENTE

Existem dois tipos de tuberculose resistente, nomeadamente, a tuberculose MDR, a resistente a pelo menos dois medicamentos, e a XDR, extremamente resistente a mais de dois medicamentos.

De acordo com a médica chefe, a cidade de Maputo tem registo de 32 de pacientes com tuberculose resistente. Destes, 31 se encontram em tratamento.

Em relação a extremamente resistente, a Saúde da Cidade conta no momento com registo de dois pacientes. No entanto, o facto que compromete a testagem destas variantes é que apenas o Laboratório do Hospital Central de Maputo é que tem capacidade de testagem destas variantes.

A tuberculose resistente surge do tratamento inadequado e leva a resistência da bactéria (bacilo de Koch). O período de tratamento para doentes com tuberculose resistente é de dois anos. Devido à dosagem forte de medicamentos, esta pode provocar efeitos colaterais no organismo podendo resultar em neuropatia periférica (formigueiro ou aquecimento nos pés), dor abdominal, deficiência na visão e audição. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos Relacionados

Botão Voltar ao Topo