Sociedade

Estrada circular totalmente asfaltada até final do ano

Todas secções da estrada circular de Maputo estarão asfaltadas até final do ano, decorrendo actualmente o trabalho de limpeza, compactação de solos e colocação de tubagem para rede de saneamento e drenagem. A garantia foi dada por Paulo Fumane, PCA da Maputo Sul, durante a recente visita do Presidente da República à capital do país.

No terreno já são visíveis sinais de evolução das obras. A partir do futuro Nó do Zimpeto a asfaltagem da estrada segue célere ao largo do Grande Maputo, com limpeza e estabilização dos solos nas secções seguintes.

No traçado da rodovia, que se assume como de grande impacto sócio- económico de Maputo, destacam-se fundações para pontes rodoviárias e ferroviárias que, segundo o PCA da Maputo Sul, não seguirão o cronograma projectado para a estrada propriamente dita.

“As pontes não serão finalizadas este ano”, disse Paulo Fumane ao Presidente da República, garantindo que tudo será feito para que as mesmas sejam uma realidade o mais cedo possível.

Guebuza visitou a Estrada Circular de Maputo no último dia de visita à capital e mostrou-se impressionado com o que viu. Destaque vai para o potencial que a mesma já revela no descongestionamento do trânsito e na valorização dos espaços subjacentes à empreitada, com evidentes sinais de desenvolvimento sob ponto de vista sócio-económico.

De notar que o projecto da Estrada Circular de Maputo enquadra-se nas políticas do Governo moçambicano com vista ao desenvolvimento e fortalecimento do sector das infra-estruturas rodoviárias a nível nacional e regional.

Com uma extensão de 74 quilómetros, a estrada subdivide-se em seis secções a saber: secção I ( Hotel Radisson-Ponte da Costa do Sol), Secção II1 (Ponte da Costa do Sol- Bairro Chiango), Secção II2 ( Chiango- Marracuene), Secção III ( Chiango-Zimpeto-N1), Secção IV (Zimpeto- Marracuene), Secção V ( Zimpeto-Tchumene N4) e Secção VI ( Nó da Machava- Praça 16 de Junho).

Trata-se de um projecto que criará um novo eixo Norte/Sul (entre Hotel Radisson e Marracuene), uma circular Este/Oeste (Chiango/Tchumene) e melhorará sobremameira as condições de transitabilidade da estrada Nacional Número Um no troço Zimpeto/Marracuene.

Destacam-se, como seus pontos notáveis, os grandes nós viários desnivelados (em Tchumene, Zimpeto, e Marracuene); os três cruzamentos ferroviários desnivelados, bem como outras pontes (Racecourse, Costa do Sol) e a Ponte Marracuene/Macaneta.

O Nó do Zimpeto, o maior do projecto, destaca-se como sendo de grande capacidade de circulação a velocidade elevada. Manterá alto nível de serviço e servirá de plataforma de distribuição da rede viária de Maputo.

Na Secção I( Hotel Radisson-Ponte da Costa do Sol), a estrada possuirá uma extensão total de cerca de 6,30 quilómetros. Este troço, de cariz urbano, possuirá 6 rotundas tendo em vista a ligação à rede local e à diminuição de velocidade de circulação para protecção ao peão; zonas de estacionamento e uma zona com arranjos paisagísticos. Nesta secção inclui-se ainda a intervenção de melhoramento da protecção costeira na frente mar.

A secção transversal possuirá uma zona destinada a veículos não motorizados (com dois metros) e ainda passeios que no lado do mar irão possuir a sua largura variável procurando materializar um calçadão.

Quanto à Secção II, com cerca de 19,7quilómetros, destaca-se o sistema de aquedutos complementado com valas para se adaptar a zona húmida existente após o Chiango.

A Secção III da rodovia representa, na verdade, uma nova construção de via urbana ao longo de cerca de 10.5 quilómetros sobre a Grande Maputo. Possuirá quatro rotundas de forma a reduzir a velocidade de circulação (proteger pedestres) e garantir acessibilidades. A secção transversal possuirá passeios, e nas zonas onde tal é possível, uma berma lateral de 2,50 metros que procura evitar problemas decorrentes de paragem de veículos.

Já a secção IV consistirá na duplicação de vias na Estrada N1 em 15.5 quilómetros entre Zimpeto e Marracuene, com melhoria das condições de pavimentação e drenagem.

A Secção V garantirá a ligação entre a N4 (Nó Tchumene) e o Nó do Zimpeto ao longo de cerca de 16 quilómetros. A ligação à N4 será materializada por um nó em trompete junto à ponte existente sobre o rio Matola, de forma a eliminar conflitos de viragem a direita. A estrada possuirá 5 rotundas para garantir uma ligação do tráfego a rede local. Contemplará ainda um conjunto de aquedutos na Baixa de Infulene para adequada drenagem desta zona húmida.

CRUZAMENTOS FERROVIÁRIOS

O projecto da Estrada Circular de Maputo contempla cruzamentos ferroviários desnivelados nas secções III,II2 e V. Na concepção das pontes, de vãos de 20 metros, existiu, segundo Paulo Fumane,  a preocupação de se deixar espaço suficiente para contemplar futuras ampliações da via férrea e acomodação de vias rodoviárias existentes.

Na baixa de Chiango serão executados cinco aquedutos para adequada drenagem e protecção da zona de montante.

A FAMOSA PONTE MAPUTO- KATEMBE

A obra mais emblemática do projecto é a ponte Maputo/Katembe que tem como desafio estratégico unir as margens de Maputo e Katembe sobre a Baía de Maputo, minimizando a interferência com as operações do Porto de Maputo e a circulação aeronáutica para o Aeroporto Internacional de Maputo.

Será uma das maiores pontes de África e a sua concepção atenderá a preocupações estéticas de forma a garantir que a obra seja ícone de Maputo, representando a dinâmica de um Moçambique em desenvolvimento e virado para o futuro.

A obra possuirá cerca de 3 011 metros de comprimento e será subdividida em três estruturas, a saber:

. Viaduto de acesso norte (com cerca de 1 097 metros de extensão)

. Ponte principal (com cerca de 680 metros de extensão)

. Viaduto de acesso sul (com cerca de 1234 metros de extensão).

A construção da nova ponte está associada a intervenção num conjunto de estradas localizadas na região Sul de Moçambique, a saber:

. Inserção em Maputo, nomeadamente, a ligação à Avenida 24 de Julho e à N1 na entrada do porto, bem como viaduto sobre Praça 16 de Junho e Nó N1/N4.

. Estrada KaTembe/Ponta do Ouro, englobando a reabilitação/construção das estradas entre KaTembe e Bela Vista e entre Bela Vista e África do Sul; engloba ainda a ligação à Ponta do Ouro. Destaque-se a construção de novas pontes na passagem Ferroviária de Bela Vista; ponte sobre o Rio Maputo e Ponte sobre o Rio Futi.

. Estrada Bela Vista /Boane , englobando a reabilitação/construção das estradas entre Bela Vista e Boane; destaca-se igualmente a reabilitação de todas as pontes existentes (5 no total) e ponte sobre o rio Umbeluzi.

Bento Venâncio

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos Relacionados

Botão Voltar ao Topo