Opinião

O MEU PRIMEIRO PRATO DE ARROZ

“Quando te assentares a comer com um governador, atenta bem para aquele que está diante de ti; mete uma faca à tua garganta, se és homem glutão”Prov. 23:1

Das três mulheres que contribuíram para a minha humanização, apenas uma ainda se mantêm rígida e lúcida, como parte da estatística populacional deste País desde há nove décadas: refiro-me à viúva do meu falecido pai. Os vinte e dois anos que me separam dela, a partir do dia em que me trouxe ao mundo, continuam insuperáveis. Nessa época, quem não me aliasse a fruto do seu ventre, poderia tomá-la por Donzela, já porque ostentava uma cara angelical e corpo esguio, ao que chegou a provocar constantes agressões verbais e físicas à sua (dela) mãe pelo meu avô materno. O sujeito desconfiava que ela não fosse o produto das suas vesículas seminais, dado que ela saíra com a pele muito macia e demasiadamente clara, pelo que com nenhum dos dois (do casal) se parecia. O meu falecido avô materno sempre “morrera” de ciúmes e desconfiança da excessiva simpatia que a minha falecida avó nutria do patrão Grego colono, o qual era servido por um “batalhão” de homens e mulheres todos eles “selvagens” e incultos lá da sua enorme Fazenda, num trabalho denominado “Di Dhamba”, cujo salário se resumia a simples manta por mês, tipo “Txiganda mbongola”, geralmente utilizada como acolchoado no dorso de um asno. Estamos nos primeiros anos da década quarenta do século passado. Contra o costume de então em que uma criança sugava o peito da mãe até aos cinco anos, ela desmamou-me com apenas dois anos, e por isso não chegou a conquistar a minha amizade porque, assim que o marido regressou das minas do “Jhoni”, trataram de me enviar aos cuidados das minhas avós que passaram a disputar entre si a minha posse, alegadamente porque eu era marido delas. Naquele tempo, acreditava-se com devoção que, enquanto uma mulher amamentasse, não corria nenhum risco de engravidar. Eram tabus que pegavam mesmo. E, como o falecido marido da minha mãe apenas dispunha de três meses de férias, para depois regressar à terra do Rand onde ficaria outros dezoito meses, forçosamente eu tinha de ser afastado da mulher dele para permitir a sua rápida fertilização e fecundação. Era forçoso que a mulher casada “lowolada”, gerasse filhos correspondentes ao número dos dedos das duas mãos. Foi assim que, fiquei entregue aos cuidados daquelas duas matronas. Com um à vontade natural, própria de casais, lavavam-me e se banhavam também na minha presença sem nenhuma réstia de pudor pois sempre me tiveram por inocente e ingénuo e que entre mim e elas não havia nada a esconder. Eu vivia como um verdadeiro bígamo, pois elas moravam cada uma na sua casa. Foi assim que dos dois aos dez anos as minhas duas “mulheres encheram-me de pataratices de encantar e de embalar, das quais algumas continuam a fazer parte do meu universo mental até aos dias que correm. Cada uma delas tinha a sua cultura: uma era pura analfabeta e outra não só sabia ler, escrever como até era maestrina dum orfeão feminino da missão. Pode-se imaginar, o que terei aprendido daquelas duas lindas “bruxas”! Pena nenhuma delas não ter sido mesmo mágica, pois eu hoje seria o mais temível feiticeiro do mundo. Depois de ingressar no mundo Cristianizado e alfabetizado da minha avó materna, todas as minhas férias escolares passava-as juntamente com a minha avó paterna analfabeta, empanturrando-me com as suas iguarias e guloseimas como, “Lifete/Txikhaba” temperados de sal, “wu tshotshoredwa”, (castanha assada e tratada com um carinho especial para amante), mel de abelhas subterrâneas (Phembe), e as suas “incabáveis” lendas e narrativas (Ti Karingane ni Ti Thekathekane). Quando as duas decidiram divorciar-se em definitivo de mim para se juntarem aos seus legítimos maridos no além, eram respeitáveis nonagenárias, idade que a viúva do meu falecido pai ostenta hoje. Daqui decidirmos (eu e ela) reatarmos a nossa amizade coarctada compulsivamente pelo marido dela, há já lá vão quase sete décadas. Não tendo tido a sorte que as suas (dela) mães e sogra tiveram de ter com quem compartilhar a sua viuvez, como “marido”, já que a televisão, “Playstations” & Compa. Lda., se encarregam de educar os netos, ela ficou condenada a regressar para a “Terra de Nod”, com as suas pataratas. Assim, eu e ela, fizemos um convénio de encontros regulares mensais no mínimo, já que se recusa a abandonar o sítio onde o seu ex-marido a deixou até ser “arrebatado” para junto dele. Último fim-de-semana, estivemos juntos durante horas a fio. Foi quando ela decidiu contar-me o porquê de eu e ela não gostamos do prato de arroz. Lembrou-me que num dos dias que eu me encontrava febril, em vez de deixar-me com o meu tio/Babá, carregou-me consigo ao colo para a dita Machamba do Grego Colono. Eu teria chorado tanto que o Patrão/Pai (?), decidiu dispensar-lhe para cuidar de mim. Ela então, aproveitou arrancar às escondidas, algumas espigas de arroz. Chegados a casa, ela tratou de esbagoar o cereal e meter as sementes com a respectiva casca numa panela juntamente com outros ingredientes típicos da nossa zona, (mexilhão, sal e piripiri). Ela nunca tinha comido arroz nem tido alguma instrução de como se cozinhava. Cultivavam o arroz para o consumo dos Patrões Colonos. Tanto tempo de espera da deliciosa comida numa vã expectativa. Quando finalmente pensou que parecia ou deveria estar cozido, foi uma grande decepção!Logo que a primeira colheradachegou no prato de pau feito de mafureira, a apresentação piorou e muito.O arroz com casca, continuava rijo. Provámos e mais decepção: não tinha nenhum paladar ou melhor, sabia a uma horrível mistura de capim com areia! Simplesmente intragável! Recordou-me ela que eu teria perguntado “imáma, kasi in diwu muni wona wuwa?” (Mãe, afinal que tipo de comida é esta?) ”Marroxa ma dyiwa ngu va lungu”. (É arroz, comida dos brancos), respondera ela. Foi assim  que perdi apetite de comer arroz. Coisas do passado que nos afectam para sempre!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos Relacionados

Veja Também
Fechar
Botão Voltar ao Topo