Nacional

Artur Saúde obtém o doutoramento

Textos escritos pelos alunos do ensino básico, que frequentam em regime semi-presencial nos distritos de Mabalane, Guijá e Massingir, no norte da província de Gaza.

Trata-se de uma

modalidade de ensino que funciona desde 2003 em Moçambique, depois de testado na Índia, Malawi e Indonésia. Pela sua relevância, o programa foi expandido para as províncias da Zambézia, Niassa, Tete e Maputo.

Os resultados da pesquisa legitimaram a hipótese colocada no estudo de que a forma como os escreventes constroem os significados, partindo de suas experiências pessoais e sociais, neste caso Xichangana, sua língua nativa, influenciava no processamento da escrita em Português, enquanto sua língua segunda.

Com a sua pesquisa, Artur Saúde diz que pretende contribuir para o desenvolvimento de estudos sobre análise contrastiva macro linguística e textuais e contribuir para o enriquecimento de reflexões em volta de como melhor ensinar e aprender a escrever em português no ensino básico, observando-se um dos pilares constantes nos objectivos estratégicos da educação em Moçambique.

O supervisor da tese de Artur Saúde foi o conceituado linguista moçambicano, o Professor Catedrático Armando Jorge Lopes, que também foi seu docente nas cadeiras fundamentais do programa de doutoramento.

O Júri foi presidido pela Professora Catedrática Perpétua Gonçalves e teve como oponente o Prof. Doutor Carlos Gouveia da Universidade de Lisboa. O Júri contou ainda com a participação Professora Catedrática Hildizina Dias, como convidada, e da Prof. Doutora Fernanda Cavacas, como vogal.

Artur Saúde nasceu há 48 anos nos arredores da cidade de Maputo e partilhou a sua formação primária e secundária nas cidades de Maputo, Beira, e no distrito de Magude, na província de Maputo.

 Em 1993 graduou-se em ensino de língua portuguesa pelo então Instituto Superior Pedagógico de Maputo e, em 2005, concluiu o mestrado em Educação de Adultos, na Faculdade de Educação, da UEM, numa dissertação em que propôs a necessidade de estabelecimento dum currículo integrado nos cursos de agricultura e alfabetização nos programas de formação profissional de camponeses da União Geral de Cooperativas de Maputo.

Artur Saúde é jornalista do semanáriodomingo desde os princípios da década de 90, e, individualmente, nos últimos dez anos, tem se dedicado à pesquisa acção na área educacional, com enfoque para o ensino básico semi-presencial. Na sequência dos resultados das pesquisas que tem feito concorreu e venceu, no ano passado, o prémio de melhor artigo científico da Comunidade de Desenvolvimento dos Países da África Austral (SADC), juntamente com outros investigadores provenientes das Repúblicas de Botswana e da Tanzania, que também concorreram noutras categorias de investigação.

Neste âmbito, Artur Saúde teve algumas participações e apresentações na Zâmbia, Lesotho e Moçambique, no contexto do provimento e desenvolvimento do ensino à distância regional.

Está de parabéns Artur Saúde, assim como está de parabéns também o semanário domingo que se aproveitará dos subsídios de sua aprendizagem. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos Relacionados

Botão Voltar ao Topo