DestaqueNacional

Ainda não controlamos o HIV

  • Com o Programa Testar e Iniciar o Tratamento, o número de pessoas vivendo com o HIV em tratamento aumentou de 802.659 em 2015 para 1.628.083 até Setembro de 2021

Em entrevista ao domingo, Francisco Mbofana, secretário executivo do Conselho Nacional de Combate à SIDA, sublinha que Moçambique ainda não tem a doença controlada, reservando, no entanto, as melhores expectativas de modo que até 2030 esteja sob controlo “uma vez que os progressos registados até agora são encorajadores”.

O entrevistado afirma que Moçambique segue uma estratégia baseada no esforço de colocar o maior número possível de pessoas infectadas em tratamento o mais rápido possível, visto que tal medida contribui para reduzir a transmissão do HIV, e, consequentemente, a carga viral comunitária.

“Moçambique adoptou a abordagem testar e iniciar que visa a universalização da testagem e tratamento do HIV proposta pela Organização Mundial da Saúde em 2016, tendo alcançado a cobertura nacional em 2018”, disse Francisco Mbofana, ressalvando que com a introdução da abordagem testar e iniciar o número de pessoas vivendo com o HIV em tratamento aumentou de 802.659 em 2015 para 1.628.083 até Setembro de 2021.

Quando se assinala, na próxima quarta-feira, o 1 de Dezembro, Dia Mundial de Luta contra a SIDA, Mbofana aborda as linhas estratégicas de operacionalização do Plano Estratégico Nacional (PEN) de Resposta ao HIV e SIDA 2021-2025.

Com o tratamento em massa de infecções pelo HIV, a doença está controlada?

A doença ainda não está controlada, mas todos os esforços estão a ser empreendidos para que o país alcance o controlo da epidemia do HIV até 2030. Os progressos registados até agora são encorajadores. Moçambique está a usar a estratégia de tratamento anti-retroviral (TARV) como prevenção há cerca de 10 anos. O pressuposto dessa estratégia de prevenção do HIV é o de que as pessoas vivendo com HIV em TARV, além de terem uma melhor qualidade de vida, apresentam menor quantidade de vírus em circulação nos seus corpos (com carga viral baixa ou mesmo indetectável), o que resulta na redução da transmissão do HIV na comunidade. Leia mais…

Artigos Relacionados

Botão Voltar ao Topo