COMBATE AO TERRORISMO: Nyusi lamenta onda de desinformação

O Presidente da República, Filipe Nyusi, lamentou a tendência crescente de desinformação e a tentativa de manipulação da opinião pública sobre os ataques terroristas na província nortenha de Cabo Delgado.

O estadista moçambicano que falava hoje, em Maputo, na abertura do XXI Conselho Coordenador do Ministério da Defesa Nacional, subordinado ao lema “sector da defesa engajado na defesa da soberania e na consolidação da paz face as novas ameaças”, manifestou, igualmente, a sua preocupação em relação há alguns órgãos de informação que ao invés de pautar pelo profissionalismo acabam difundindo conteúdos que favorecem os terroristas.

“Este tipo de acções apenas concorre para o recrudescimento da violência e desconfiança entre os moçambicanos. Aliás, a luta sem trégua contra o terrorismo só será vencida se cada um dos moçambicanos fizer a sua parte, nem que seja um simples acto de se abster de ser caixa de ressonância da propaganda dos terroristas”.

Há necessidade, segundo o Presidente, de exortar-se para que tudo seja feito para apurar a veracidade dos factos, estar-se atento a qualquer tendência de difusão de quaisquer imagens ou notícias, porque a primeira vigilância parte de de cada um dos moçambicanos.

O Chefe do Estado exortou, também, aos membros das Forças Armadas de Defesa de Moçambique (FADM) e Forças de Defesa e Segurança (FDS) a terem comportamentos exemplar na sociedade, obedecendo estritamente ao comando. “Só desta maneira, agindo na conformidade conseguiremos a coesão necessária para lograrmos o sucesso no combate aos terroristas e outros males que somos vítimas”.

Os ataques terroristas, de acordo com o Presidente, trouxeram outros desafios inerentes a salvaguarda dos direitos humanos e humanitário nos teatros operacionais e a consequente manipulação mediática.

Face a esta situação, recomendou ao Ministério da Defesa Nacional e as Forças Armadas de Defesa de Moçambique para que no quadro de educação físico compatriotico reforcem a abordagem sobre temas relativos aos direitos humanos e direitos humanitários nas unidades e estabelecimentos militares.

“Deste modo, será possível aprimorarmos as nossas práticas a todos os níveis de conformidade com o direito internacional, protecção da integridade física das pessoas sem discorrer da missão principal de defender com bravura e coragem a soberania e integridade territorial”.

O Presidente da República recomendou ao Ministério da Defesa Nacional a empenhar-se cada vez mais na consolidação da paz, segurança e integridade territorial e devolver tranquilidade aos moçambicanos.

“Gostaria que no presente debate do XXI Conselho Coordenador tivessem em conta a intensificação do trabalho operativo contra os ataques terroristas, reforço do nível do controlo da fronteira terrestre, da costa marítima, melhorias da capacidade operativa das FDS, reforço das campanhas cívicas às comunidades em coordenação com as estruturas locais para não aderirem ao grupo terrorista, continuarem a levar acabo os estudos sobre o modus operandi dos terroristas, continuar aprimorar as medidas de coordenação permanente no seio das forças de defesas e segurança, entre outros”.

Por fim, o estadista moçambicano, felicitou o sucessos que tem vindo a ser alcançado sobretudo na garantia da paz, estabilidade e segurança do país no combate ao terrorismo. “Sabe-se que o povo exige mais e sempre vai exigir, mesmo que os agentes das Forças de Defesa e Segurança digam que a situação está controlada, porque para o povo uma situação controlada é não haver tiros”.

Classifique este item
(0 votes)