Os garimpeiros da província de Manica não têm estado a acatar as orientações da Direcção Provincial dos Recursos Minerais e Energia, no sentido de usarem técnicas de mineração pouco prejudiciais aos rios.

Quase todos os rios que correm nas proximidades das áreas de ocorrência de minerais, sobretudo o ouro, encontram-se poluídos devido ao uso, pelos garimpeiros, de substâncias químicas nocivas ao ambiente, a exemplo de mercúrio.

Uma das dificuldades para o controlo desta mineração é que a maior parte dos operadores é ilegal. O director provincial, Silva Manuel, garante que as únicas autorizações feitas para a mineração dizem respeito a 22 associações, oito das quais operam de forma regular e organizadas.

Algumas associações estão em processo de transformação em cooperativas, facto que abre a possibilidade para uma melhor monitoria e para serem apoiadas pelo Governo. Neste grupo destacam-se Bandire, em Sussundenga; Chadzuca e Mimosa, que resultaram da fusão de sete associações.

No processo da transformação das associações, foram consignadas áreas para a exploração aprovadas pelo Conselho de Ministros. Os recursos que mais atraem os exploradores são o ouro e as pedras preciosas. A associação de “Mpataguena”, por exemplo, trabalha largamente na exploração de pedras preciosas. Leia mais...

Texto de Benjamim Wilson

This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Câmbio

Moeda Compra Venda
USD 61,11 62,29
ZAR 4,16 4,24
EUR 67,19 68,49

12.09.201Banco de Moçambique

Quem está Online?

Temos 306 visitante(s) ligado(s) ao Jornal

+ lidas