Perto de oito mil produtores moçambicanos estão envolvidos na prática da aquacultura de pequena escala, incluindo unidades que desenvolvem a actividade em moldes comerciais.

Nas regiões situadas no interior do país, a actividade tem contribuído sobremaneira para superar o défice alimentar das populações, além de gerar renda e postos de emprego.

Dados a que tivemos acesso apontam que até o ano passado havia uma produção global de pouco mais de três mil toneladas, contra cerca de 600 toneladas que constituam a média registada na última década.

Ainda no que se refere ao desenvolvimento da aquacultura de pequena escala, a província de Inhambane é a que mais se destaca, com diversos produtores empenhados na produção destinada ao auto-sustento.

Em termos de desenvolvimento da actividade em moldes comerciais, salientam-se unidades como a “Aquapesca”, que faz a produção de camarão na Zambézia. Quanto à produção de peixe destacam-se a “Chicoa Fish Farm” e a “Poelela”, cujos índices de produção se apresentam em grande escala.

A primeira unidade que atrás nos referimos, cuja base de intervenção está na Albufeira de Cahora Bassa, em Tete, exporta grande parte da sua produção aos países vizinhos, designadamente Zimbabwe, Malawi e a Zâmbia, tendo o ano passado colhido uma média de 100 toneladas.

TILÁPIA DE NILO

E TILÁPIA MOÇAMBIQUE

Nas águas interiores, a aquacultura está a ganhar claramente terreno, tendo começado a ser desenvolvida de forma isolada e em moldes tradicionais.

A existência do mar, lagos, lagoas e rios, aliada às excelentes condições climatológicas fazem com que muitas pessoas encareçam esta actividade como base para sustentar as necessidades de consumo alimentar e de aumento de renda. As províncias onde mais se desenvolve a aquacultura são as de Inhambane, Gaza, Manica, Tete, Niassa e Zambézia, cuja variedade de espécies em cultivo são capazes de causar inveja a muitos países. Duas espécies sobressaem na riqueza que o nosso país dispõe, designadamente a “tilápia do Nilo” e a “tilápia de Moçambique”.

Outras espécies se destacam a par desta actividade, como o camarão, fundamentalmente na província da Zambézia, bem como a “carpa”, o “peixe barba” e o “mexilhão”.

Na província de Nampula, destaca-se o desenvolvimento de um projecto de maricultura, que consiste na produção de macroalgas a título experimental.

Texto de Benjamim Wilson
This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Câmbio

Moeda Compra Venda
USD 63,6 64,83
ZAR 4,56 4,65
EUR 71,57 72,96

11.04.201Banco de Moçambique

Quem está Online?

Temos 371 visitante(s) ligado(s) ao Jornal

+ lidas