Sinto que devo dar de volta algo que o desporto e o Desportivo me deram

– Elisa Sitoi, Zita, antiga basquetebolista

Nasceu a 27 de Fevereiro de 1970, em Nampula. Passou a infância com os seus pais e irmãos. Já nessa altura, “tínhamos o hábito de jogar básquete na rua”, revela Elisa Sitoi, ou simplesmente Zita, assim conhecida nos meandros desta modalidade.

Na verdade, foi uma atleta de se lhe tirar o chapéu. Via em Esperança Sambo, Aurélia Manave e Amade Mogne suas referências no desporto. Entretanto, o seu próprio estilo de jogo e personalidade deixaram marcas e conquistaram os amantes do desporto e não só.

Há vários anos, o dedo indicador desta eterna atleta do Clube Desportivo de Maputo e, também, da selecção nacional aposentou-se da missão de arrumar as pedras em campo e distribuir o jogo. Igualmente, o seu tiro rápido e certeiro passou para outras mãos, as mãos de Ndzati, sua filha de 18 anos, que em terras lusas, Portugal, deixa rolar o mesmo sentimento e põe em prática a técnica da modalidade bem ao modo da sua progenitora que, aliás, confirma em seguida: “quando vou vê-la (jogar) sim, em algumas coisas me revejo…”. Afirma o desejo de “dar de volta algo que o desporto e o Desportivo me deram”, como treinadora. domingo convida-lhe, então, a uma viagem virtual até Lisboa, onde Zita e a sua menina residem há vários anos. Embarquemos.

Por que motivo parou de jogar?

Parei de jogar porque tive de sair de Moçambique para estudar em Portugal e o meu horário não era compatível. Os treinos eram muito longe e muito tarde. Era difícil de conciliar o desporto e a escola.

Com que idade “largou” o básquete? Leia mais...

TEXTO DE CAROL BANZE

This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Classifique este item
(0 votes)