Print this page

Japão a caminho da posse de capacidade militar ofensiva?

Abril 24, 2021 972

O Japão, os EUA e a França vão realizar, entre os dias 11 e 17 de Maio próximo, manobras militares conjuntas no território japonês. É a primeira vez que os exércitos dos três países vão realizar aquele tipo de exercício, num claro prenúncio de estabelecimento de uma aliança militar, ainda que informal, tripartida. A aliança militar surge em resposta à percebida ameaça que a China constitui aos interesses das partes na região indo-pacífica. No entanto, para além de conter a China, a aliança vai favorecendo também o interesse que o Japão tem em libertar-se das amarras que lhe impedem de possuir capacidade militar ofensiva que lhe foram impostas pelos vencedores da Segunda Guerra Mundial.

O anúncio da programada realização de manobras militares conjuntas trilaterais foi feito pelo ministro da defesa do Japão, Nobuo Kishi. Para as autoridades de Tóquio, as manobras são actos necessários para o aprofundamento da cooperação tanto com o aliado tradicional EUA, como também para a diversificação de aliados, neste caso incluindo a França naquele tipo de exercícios. Ao aprofundar a cooperação com os dois aliados, afirma o ministro, o Japão espera melhorar as tácticas e habilidades das Forças de Auto-Defesa na defesa de territórios insulares remotos.

O comportamento dos EUA ao procurar estabelecer alianças militares é típico da política do balance of power[1]e própria de uma potência hegemónica que percebe haver ameaça ao seu poder. Isso acontece particularmente quando há sinais de relativo declínio da hegemonia e indícios de ascensão de um novo Estado com ambições similares. Com efeito, o aparecimento de uma China desafiadora ou com ambições também hegemónicas, tanto em regiões específicas como a nível global, leva a que os EUA façam aproximações militares com actores de diferentes regiões.A anunciada realização de manobras militares conjuntas com o Japão e com a França é, na verdade, parte de uma ampla estratégia dos EUA em conter a China aliando-se a potenciais rivais desta. É só lembrar que o anúncio das manobras é feito poucos dias depois do presidente Joe Biden ter se reunido com o primeiro-ministro japonês, num encontro onde também se procurou revitalizar o Diálogo de Segurança Quadrilateral (QUAD): uma aliança informal que inclui EUA, Japão, Austrália e Índia. Para além do QUAD, pelo qual tem havido manobras militares entre os membros, os EUA também mostram-se favoráveis aos países da região indo-pacífica que têm querelas territoriais contra a China – casos do Vietname, Filipinas, Malásia, Brunei e Taiwan. Leia mais...

Por Edson Muirazeque *

This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Classifique este item
(0 votes)