Relatório da AI é duvidoso

- Ministério da Defesa Nacional sublinha que terroristas manipulam opinião pública

Moçambique e o mundo foram colhidos de surpresa por um comunicado da Amnistia Internacional (AI) dando conta de suposta violação de direitos humanos na província de Cabo Delgado, apontando o dedo às Forças de Defesa e Segurança (FDS).

Na sua página oficial, a AI publicou um comunicado de Imprensa, com o título “Mozambique Torture by Security Forces in Gruesome Videos must be Investigated”, o que em português significa “A Tortura em Moçambique pelas Forças de Defesa e Segurança em Vídeos Horríveis deve ser Investigada”.

O referido comunicado insta o Governo moçambicano a lançar uma investigação independente e imparcial sobre alegadas torturas e outras violações cometidas.

Trata-se de conclusões precipitadas, feitas em cima do joelho, até porque se baseiam em vídeos cuja autenticidade é duvidosa tal como, aliás, reconhece a própria AI.

Analistas ouvidos pelo domingo sublinham que uma abordagem exaustiva da matéria, a basear-se em factos, requererá trabalho virtuoso e paciência por demais conhecida que é a ardilosa estratégia de propaganda que tem estado a ser usada pelos terroristas que, amiúde, além de se infiltrarem no seio da população, obrigando- -a a dar-lhes guarita, têm acesso a meios usados pelas FDS, incluindo uniformes dos diferentes ramos, o que lhes ajuda a semearem confusão nas pessoas em relação aos reais autores da barbárie. Leia mais...

Classifique este item
(0 votes)