O espectro de guerra está novamente à espreita. O protagonista é o mesmo de sempre, a Renamo, cuja ala militar está, de há uns tempos a esta parte, a perpetrar ataques armados sobretudo contra alvos civis, principalmente na Estrada Nacional Número 1 (EN-1), espinha dorsal da comunicação rodoviária entre o Sul, Centro e o Norte de Moçambique.

As pessoas viajam num clima de medo de disparos que podem acontecer em qualquer momento do dia, o que, além de atentar contra a sua vida, integridade e património acaba prejudicando a economia por causa da deficitária circulação de mercadorias no território nacional.

Fora do país, estes ataques têm também as suas repercussões: os investidores não se sentirão atraídos para colocar o seu dinheiro num país inseguro.

Ainda que sejam casos isolados, para pessoas que ainda vivem com o trauma do conflito da guerra dos 16 anos, um simples disparo é motivo suficiente para pânico quase generalizado.  Leia mais...