- Filipe Nyusi ao empossar o presidente e vice-presidentes do órgão

O Chefe do Estado, Filipe Nyusi, apelou ao presidente e aos vice-presidentes da Comissão Nacional de Eleições (CNE) a cumprirem os prazos fixados na lei e as deliberações deste órgão , sem perder de vista que dirigem uma instituição colegial, de composição heterogénea cuja função é dirigir.

Nyusi, que falava em Maputo após empossar Dom Carlos Matsinhe, como presidente, e Carlos Cauio e Fernando Mazanga, vice-presidentes, disse que pelo facto de a CNE ser um órgão colegial a solução dos seus problemas deve ser encontrada em conjunto e com estrita obediência à Constituição da República.

Como presidente e vice-presidentes da CNE têm a responsabilidade acrescida e exclusiva de coordenarem e dirigirem o órgão para o cumprimento integral da missão que lhe foi incumbida, garantido o cumprimento escrupuloso, pacífico e com êxito do ciclo eleitoral na base de tratamento e oportunidade iguais para todos”.

Para Filipe Nyusi, o presidente e os vice-presidentes serão determinantes para proporcionar um ambiente harmonioso e de partilha de informação além de trabalho de equipa no desenvolvimento das actividades do órgão.

A responsabilidade, segundo disse, requer ainda da direcção a realização das suas funções e a coordenação de acções dos seus correligionários com idoneidade, independência, imparcialidade, objectividade, competência e zelo.

Aos vice-prsidentes, especificamente, e aos demais membros do órgão, o Presidente da República exortou-os a colaborem com o Presidente. “Foram vocês que escolheram o presidente e a vossa escolha é uma clara manifestação de confiança”.

Adiante, reiterou o apelo para um trabalho em equipa erm todos os níveis dos órgãos de administração e gestão eleitoral sem atender a cores de proveniência de cada, uma vez que os membros da CNE defendem inter esse nacional obedecendo ditames da lei e da sua consciência.

Nyusi prometeu que o Governo, por sua vez, continuará a dar o apoio excepcional e tudo fará para assegurar um clima de estabilidade política por forma a permitir a participação de todos os cidadãos nos processos eleitorais.