Em Foco

“Vou defender uma paz duradoira”

O candidato da Frelimo às eleições presidenciais de Outubro próximo, Filipe Jacinto Nyusi exortou ontem, em Manjacaze, a população de Gaza, em particular, e do país, em geral, a preservar a paz para que Moçambique continue a prosperar rumo ao bem-estar de todos os moçambicanos.

Filipe Nyusi que falava num comício popular na vila municipal de Manjacaze, ponto de entrada na província de Gaza, onde está em campanha eleitoral. Instou a população a cultivar os valores da paz, harmonia social tendo em vista a sua preservação e da unidade nacional.

No meu governo vamos continuar a trabalhar para que tenhamos uma paz duradoira, e que a mesma não seja interrompida, uma vez que após a independência, vivemos momentos difíceis, mas depois nos reencontramos como irmãos. Portanto, trabalhemos para que em Moçambique haja muita paz e que fique para a toda vida”, exortou o candidato presidencial da Frelimo.

O candidato que dialogava com a população no âmbito do prosseguimento do “namoro” ao eleitorado enfatizou o papel desempenhado por todos os actores da sociedade que não têm tido mãos a medir quando se trata da manutenção deste bem precioso.

Relativamente aos planos para o desenvolvimento daquele distrito e da província em geral, Filipe Nyusi prometeu emprego para os jovens e abertura de mais pontos de retenção de água para que Gaza não seja ciclicamente afectada pelas cheias no período chuvoso.

Sublinhou que de Gaza guarda grandes memórias uma vez ter sido nesta província, precisamente em Nwadjahane, onde iniciou o caminho rumo à Ponta Vermelha. “Eu comecei a marcha neste distrito que o considerei como sendo o quilómetro zero rumo à Ponta Vermelha”.

Na província de Gaza, Filipe Nyusi vai escalar sucessivamente, os distritos de Chibuto, Guijá, Chigubo, Chicualacula,, Massingir, Chókwé, Xai-Xai e Macie para divulgar o seu manifesto eleitoral e convencer o eleitorado a apostar na sua candidatura.

Refira se que Gaza tem registados 591.194 eleitores, que confere 14 mandatos na Assembleia da República e uma das suas característica é que sempre apostou na Frelimo e seus candidatos.

 Rentabilizar a economia de Inhambane

Tornar a província de Inhambane economicamente sustentável e viável é a principal promessa deixada pelo candidato da Frelimo à Presidência da Republica, Filipe Jacinto Nyusi nos encontros mantidos com os eleitores dos nove distritos por si escalados naquele ponto do país. Segundo defendeu, existem várias potencialidades florestais, turísticas, marinhos, entres outras que bem aproveitados podem desenvolver rapidamente a chamada “terra da boa gente” e outras regiões do país.

Quando falta apenas uma semana para o fim da campanha eleitoral, o candidato presidencial da Frelimo vai conquistando cada vez mais os corações dos eleitores através do seu discurso promissor, inovador e de confiança na mudança e desenvolvimento sustentável.

Semana finda, Filipe Nyusi escalou sucessivamente, as províncias de Manica e Inhambane, onde reuniu com militantes, simpatizantes do seu partido e população em geral para divulgar o seu projecto de governação fruto do périplo efectuado logo após a sua eleição para concorrer à Presidência da Republica.

Nos vários encontros mantidos com a população, o denominador comum girou à volta da necessidade da consolidação da unidade nacional, estado do direito democrático e de justiça social, promoção do desenvolvimento económico sustentável, entre outros aspectos da actualidade política nacional.

O candidato presidencial da Frelimo não fugiu ao seu estilo característico, sempre sorridente e a espalhar alegria por todos os lugares escalados. “A Frelimo e o seu candidato não fala por falar, nem faz confusão, mostra resultados que vão ao encontro das expectativas da maioria dos cidadãos”.    

Para sustentar o seu discurso, Filipe Nyusi falou do compromisso que tem para com os moçambicanos. “O meu compromisso neste novo ciclo de governação é com o povo, com a verdade, realismo, crescimento e desenvolvimento económico-social sustentável, com a busca de melhores condições e oportunidades do emprego e garantia da redistribuição da riqueza”.

Na ocasião, sublinhou que a sua trajectória é semelhante a de muitos cidadãos que passaram por várias dificuldades, mas que com a crença foram superando-as. “ O meu percurso é semelhante a muitos de vós, tem sido feito de desafios, vitórias, partilha e honra. Tive a sorte de ter uma família que me apoiou e apoia e guardo comigo memórias e lições dos meus pais e avós”.      

TORNAR INHAMBANE ECONOMICAMENTE SUSTENTÁVEL

Em todos os comícios orientados na província de Inhambane, o candidato presidencial da Frelimo disse que depois de vencer o escrutínio que se avizinha iria trabalhar no sentido de tornar a “terra de boa gente” numa província economicamente sustentável para a sua renda assim como das outras províncias.

O sonho que tenho para esta província é torná-la economicamente sustentável e viável. Portanto, produzir receitas próprias com a sua vasta gama de riqueza e fazer desta uma fonte para a construção de estradas e pontes, hospitais e escolas, entre outro tipo de infra-estruturas sociais”, disse Nyusi para depois acrescentar que as mesmas receitas servirão para o pagamento dos salários dos funcionários públicos.

Acrescentou que entre as várias fontes de geração de recursos nesta província, há que destacar as belíssimas praias ao longo da costa, como por exemplo, as ilhas do Bazaruto, as paradisíacas águas da vila municipal de Vilanculos, entre outros locais.

Sublinhou que com o dinheiro a ser produzido com esta riqueza Inhambane não poderá necessariamente recorrer aos impostos para construir por exemplo, a estrada Mabote-Mapinhane, aumentar as fontes de abastecimento de água e expandir a energia eléctrica das sedes distritais aos postos administrativos, localidades e bairros de expansão.

Depois de Vilanculos, Filipe Nyusi rumou para Massinga onde continuou a falar dos seus projetos, mas introduzindo um dado novo que é o seu pensamento relativamente ao sector da administração da justiça.

Segundo explicou, para este sector tem um plano ambicioso que passa pela consolidação do sistema de administração da justiça tornando-o mais acessível e cada vez mais próximo dos cidadãos. “O cidadão tem que ter acesso à justiça, quer dizer, ter a certeza de que quando for procurar estes serviços, o seu problema vai ser resolvido segundo manda a lei e sem dúvidas”.

Quero deixar claro que na minha governação a separação dos poderes executivo, legislativo e judicial será uma realidade. Os tribunais vão trabalhar livres sem influência do poder político. Isto é, o cidadão tem que confiar na justiça, ou por outra, se for à esquadra deve ter a certeza de que vai ser ouvido”, disse Filipe Nyusi.

Em seguida, Filipe Nyusi partiu para Morrumbene onde orientou um encontro popular cuja tónica do discurso girou em torno da moralização do sector da Defesa, por sinal o último por onde passou antes de ser eleito para concorrer à Presidência da Republica.

À sua chegada a este distrito o candidato foi cortejado por uma multidão que decidiu percorrer a pé cerca de dois quilómetros até ao local do comício, em saudação a esta candidatura. Aqui Filipe Nyusi recebeu rasgados elogios quando disse que ao pisar o local estavam criadas as condições para ser o novo inquilino da Ponta Vermelha por ser onde estudou o arquitecto da unidade nacional, o Dr. Eduardo Mondlane.

No terceiro dia da actividade de “caça do voto”, Nyusi escalou os distritos de Homoine, Zavala e a cidade de Inhambane. Discursando em Homoine, o candidato presidencial da Frelimo disse que “a população tem razões suficientes para apostar no partido das realizações para além da má recordação devido à guerra dos 16 anos. Entretanto, sabe perdoar mesmo aquele que ontem lhe fez mal, uma vez que compreende que é preciso perdoar para vivermos em paz e harmonia social”.

Reconheceu a postura da população deste distrito que segundo afirmou sempre soube valorizar o seu voto apostando no programa da Frelimo e dos seus candidatos que têm assegurado um crescimento rápido da vila sede de Homoine, o que lhe confere grandes possibilidades de se tornar num município nos próximos anos.

Em Inhambane estão registados um pouco mais de 600 mil eleitores, com 14 assentos para o Parlamento e 70 lugares para a Assembleia provincial. Para conquistar estes votantes, Filipe Nyusi escalou sucessivamente os distritos de Govuro, Vilanculos, Mabote, Massinga, Morrombene, Maxixe, Homoine, Zavala, cidade de Inhambane para dialogar com as populações e divulgar o seu manifesto eleitoral.  

INDUSTRIALIZAR MANICA

Antes de rumar à terra da boa gente, Filipe Nyusi esteve em Manica, província em que classificou como sendo um dos principais centro para a industrialização do país dada as suas potencialidades florestais, minerais, agrícolas, turísticas, entre outras.

Para o candidato da Frelimo, a riqueza a ser extraída desta província terá que beneficiar a todos os moçambicanos, no âmbito da promoção da unidade nacional. “No nosso projecto de governação, vamos criar oportunidades iguais para os moçambicanos, por isso, vamos investir para que a riqueza seja distribuída por todos, através da construção de mais escolas, hospitais, estradas e outro tipo de infra-estruturas sociais”.

Nesta parcela do país a parte cultural esteve a cargo de uma vasta gama de músicos locais, bem como de outras cidades capitais, entre eles, Gipson Muzemdze, Luísa Boaventura, DJ Ardiles, Mr. Cuca, para não falar de diversas danças típicas da provincia

Em Manica, Filipe Nyusi escalou sucessivamente, os distritos de Macossa, ponte de entrada, Bárué, Messica, Gondola, Macati e cidade de Chimoio onde deixou a mensagem de confiança no seu projeto de governação e desenvolvimento sustentável.

Refira-se que em Manica estão registados 712. 938 potenciais eleitores, que dão direito a escolher 16 deputados para a Assembleia da Republica e 80 membros da Assembleia provincial.

NÃO MANIPULAR AS RELIGIÕES

O candidato presidencial da Frelimo disse na cidade de Inhambane que não se deve misturar a religião com o trabalho político e que cada uma das actividade é independente da outra, concorrendo ambas para a moralização da sociedade.

Queria lamentar os discursos de algumas forças de que algumas regiões são superiores em relação as outras. Não gostaria de governar um país assim, mas um país onde há oportunidades iguais para todos. Onde não se mistura a religião com a política. A própria religião não tem espaço para entrar na política”, disse o candidato da Frelimo apelando ao diálogo para a solução das diferenças.

Sublinhou que no novo ciclo de governação que pretende liderar depois das eleições do dia 15 de Outubro próximo caberão todas as religiões. “Deixemos de lamentações e construamos um Moçambique próspero, uno e indivisível. Não nos tragam problemas que não existem e nem vão acontecer porque o país é de todos os moçambicanos e de todas as religiões”, realçou.

Domingos Nhaúle

Fotos de Jerónimo Muianga

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos Relacionados

Botão Voltar ao Topo