Em Foco

Partidos sem delegados nas mesas de votação

O Secretariado Técnico da Administração Eleitoral (STAE) ao nível da província de Cabo Delgado considera que estão reunidas as condições materiais para a realização das eleições presidenciais, legislativas e provinciais nesta parcela do país. Porém, entende que alguns partidos concorrentes poderão não estar representados nas Mesas de Votação devido à desistência dos seus representantes durante a fase de formação realizada nas últimas semanas.

O director do STAE de Cabo Delgado, Cassamo Camal, disse que o normal seria ter as Mesas de Votação compostas por sete elementos, nomeadamente, quatro indicados pelo STAE e outros três indigitados pelos partidos políticos mas, devido às desistências ocorridas ao longo do período de formação, algumas mesas poderão funcionar com menos um ou dois representantes de formações partidárias.

Sem indicar números, Camal afirmou que “tivemos algumas desistências de representantes dos partidos e, para corrigir, chamamos os mandatários provinciais dos partidos para que corrigissem a situação porque queremos que este processo decorra sem sobressaltos e se cumpra a lei que impõe que as mesas tenham sete elementos”.

Segundo a fonte, caso o cenário prevaleça, as Mesas de Votação irão funcionar contando apenas com a presença dos quatro elementos indicados pelo STAE e eventualmente um ou dois dos partidos que comparecerem no dia 15 de Outubro devidamente credenciados.

Dados colhidos em diferentes pontos desta província, e à semelhança do que ocorre um pouco por todo o país, alguns partidos políticos não possuem uma inserção social suficiente nos distritos, postos administrativos, localidades e povoações, para angariarem gente interessada em assumir de forma destemida a posição de fiscais de Mesa de Voto.

No caso de Cabo Delgado, a Frelimo está inserida em todos os locais e, pelo que testemunhámos nos locais onde decorreu a formação, estará representada em quase todas, senão mesmo todas, as mil e 554 Assembleias de Voto espalhadas pelos quatro cantos da província.

Entretanto, a Renamo parece não ter a mesma pujança em distritos inteiros como são os casos de Macomia, Mueda, Muidumbe, Namuno e Nangade, onde a presença de um representante desta formação continua a não ser tolerada, ao contrário do que acontece com o Movimento Democrático de Moçambique (MDM) que é aceite assim-assim nestes ambientes.

Se em alguns casos a Renamo é tida como um “inimigo de estimação”, o mesmo não acontece nos distritos de Mocímboa da Praia, Palma, Pemba, entre outros onde a tolerância é razoável, pelo que se espera que nestes locais “a perdiz” tenha alguma representação em boa parte das Mesas de Votação, à semelhança do partido do “galo”.

“Estamos proibidos de comer erros”

Para as eleições gerais que vão ter lugar na quarta-feira, o STAE de Cabo Delgado indica que conta um registo de 964.671 eleitores distribuídos por mil e 554 Assembleias de Voto. Nas eleições de 2009, esta província tinha 888.197 eleitores e  mil e 138 assembleias.

Cassamo Camal afirma que a diferença de 2009 para 2014 não reside necessariamente no crescimento da população mas, sobretudo, no facto d e os Cadernos Eleitorais terem perdido alguma gordura porque, no passado, as mesas tinham mil eleitores e hoje possuem 800 votantes inscritos cada.

No que se refere à logística para o dia 15, Camal disse que as condições estão criadas e que a equipa por si dirigida está “proibida de cometer erros”. “Temos 98 viaturas de cabine simples e dupla para assistir a todos os locais de votação em termos de colocação dos materiais e recolha e mais 34 viaturas de três toneladas e meia para o transporte dos materiais da capital provincial, Pemba, para os distritos, postos administrativos e localidades”.

Segundo a nossa fonte, estes meios terrestres contarão com o apoio de um helicóptero que vai fazer o transporte dos materiais para as ilhas, com particular destaque para a região de Ibo, Quissanga, Palma e Mocímboa da Praia.

No que se refere à segurança, Cassamo Camal aludiu que os Agentes da Lei e Ordem estão a fazer o seu trabalho, com incidência para os locais tidos como vulneráveis a conflitos políticos. “Temos assegurada a protecção e esperamos que tudo corra bem”, frisou.

Jorge Rungo, em Pemba

jrungo@gmail.com

 

SOFALA – ELEIÇÕES GERAIS -2014  

 

Tudo alinhado para a votação

Jaime Cumbana

O STAE em Sofala indica que está tudo a postos para o dia da votação e parte significativa do material já avançou para os 16 distritos desta parcela do país. A província de Sofala é o quarto maior círculo eleitoral do país depois de Nampula, Zambézia, Cabo Delgado e Tete. Conta com 926 mil e 746 eleitores inscritos para o pleito da quarta-feira, 15 de Outubro corrente.

A cidade da Beira é o maior círculo eleitoral da província, com 262 mil e 475 eleitores e elege seis deputados para a Assembleia da República e 23 para as províncias.

Este círculo eleitoral elege 21 deputados para a Assembleia da República e 82 para as Assembleias províncias. Para que um partido consiga fazer eleger um deputado para Assembleia da República deverá reunir um total de 44 mil e 131 votos válidos, enquanto para as provinciais são 11 mil e 302 votos válidos.

Segundo o chefe de Departamento de Organização e Operações no Secretariado Técnico da Administração Eleitoral (STAE), em Sofala, Manuel Maraire, a cidade da Beira é seguida pelo distrito de Nhamatanda  com 104 mil e 553 eleitores e elege dois deputados para Assembleia da República e nove para as provinciais.

O terceiro maior circulo eleitoral, segundo a fonte, é o distrito de Dondo com 87 mil e 42 eleitores. Dondo dista a 30 quilómetros da capital provincial e elege igualmente dois deputados para a Assembleia da República e oito para as provinciais.

O menor circulo eleitoral desta parcela do país é o distrito de Muanza com pouco mais de 15 mil eleitores inscritos para o pleito desta quarta-feira, portanto com capacidade de eleger apenas um deputado para assembleia provincial.

MATERIAL JÁ ESTÁ NOS DISTRITOS

Entretanto, Maraire assegurou que está tudo apostos para o dia da votação, pois os materiais para  efeito já foram despachados aos 16 distritos da província de Sofala, nomeadamente: cabinas de voto, urnas, 294 viaturas, destas 70 são camionetas de mais de duas toneladas, e combustíveis.

“Tendo em conta as peculiaridades desta província, também prevemos receber um helicóptero para operar nos distritos de difícil acesso como são os casos de Machanga e Marromeu, como também para chegar a Chemba, Chibabava, Gorongosa e Buzi, caso venha a chover no dia 15 de Outubro”, explicou Manuel Maraire. 

A fonte assegurou que já estão na posse dos boletins de voto para os três escrutínios, eleição do Presidente, deputados da Assembleia da República e das assembleias províncias, mas por questões de prevenção só serão despachados para os destinos a partir de hoje, domingo.

Num outro desenvolvimento, o interlocutor disse que na província existem mil e 267 assembleias de voto e oito mil 869 Membros da Mesa de Voto (MMV,s), estando destacados sete por cada assembleia de voto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos Relacionados

Botão Voltar ao Topo