Em Foco

Engenheiro deve estar na vanguarda

– defende Chefe do Estado, Filipe Nyusi, por ocasião da celebração do 3 de Maio , Dia

Nacional do Engenheiro

Falando durante a gala organizada pela OrdEM por ocasião das festividades do Dia Nacional do Engenheiro, assinalado no dia 3 de Maio, e pela passagem dos 11 anos da criação desta agremiação sócio-profissional, o PR reiterou a disponibilidade do Governo em continuar a privilegiar a interacção com a OrdEM por se tratar de “uma plataforma de coordenaçãode acções para desenvolvermosuma parceriamutuamente vantajosa”. Nyusi, que é também engenheiro e membro numero 521 da OrdEM, expressou o seu regozijo por participar naquele convívio com os seus colegas de profissão aos quais , a dado momento exortou-os , a colocarem o problema da gestão da aagua no topo das suas prioridades pelo que deveriam agir com a sua criatividade e sabedoria para poupar vidas e sofrimento humano nas zonas propensas a secas e cheias pois “temos quequebrar este círculo viciosode cheias e secas, maximizandoo aproveitamento racionale integral dos recursoshídricos nacionais , em proldo nosso desenvolvimento”.

As cheias e secas não podemcontinuar a humilhar e acolocar em causa a capacidadedo engenheiro moçambicano.Devemos juntar sinergiaspara melhor gestão dosde água do nosso país para,entre outras aplicações, gerara energia por que o nossopovo clama; usar a águapara a irrigação dos camposagrícolas, usar a água para oconsumo e porque não, tambémpara a criação de peixe,afirmou Nyusi.

Por seu turno, o Bastonário da Ordem dos Engenheiros de Moçambique, Augusto Sousa

Fernando, debruçou-se sobre a relevância dos engenheiros e a dimensão do seu contributo num país em franco desenvolvimento, como é o caso de Moçambique , sublinhando esta classe joga um papel crucial na sociedade pelo que afigura-se imperioso darem o seu contributo com o seu saber e engenho “ no desenvolvimento deinfra-estruturas económicase sociais com incidência paraas que fazem parte das linhas-mestras do Plano Quinquenaldo Governo”.

Para aquele Bastonário, o segundo na história da organização, a OrdEM jamais seráuma instituição credível sema colaboração de outras instituições,porque existem muitoscompatriotas e cidadãosestrangeiros exercendo aactividade de engenharia, ilegalmente,em Moçambique”.

Importa referir que a Ordem dos Engenheiros de Moçambique é a entidade legalmente reconhecida no nosso país para atribuir Cédulas Profissionais aos licenciados nos diferentes ramos de engenharia. Actualmente a OrdEM conta com cerca de 2000 membros dos quais perto de sessenta por cento pertencem ao Colégio de Engenharia Civil. Ao todo são cinco os colégios que compõe a OrdEM nomeadamente Civil, Electrotecnia, Agrónoma e Florestal,Florestal, Mecânica e Química.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos Relacionados

Botão Voltar ao Topo