Em Foco

Chuvas intensas provocam estragos também em Inhambane

As chuvas intensas que caíram durante a semana deixaram um rasto de destruições em dois distritos da província de Inhambane, nomeadamente, Panda e Homoíne. Vias de acesso 

destruídas, extensas áreas com culturas diversas perdidas,   morte de gado bovino e suíno, árvores tombadas são alguns dos estragos provocados pelas enxurradas naqueles dois distritos, onde, algumas famílias, também ficaram sem abrigo.

A contabilização dos danos continua no terreno, mas sabe-se que os estragos foram enormes. Aliás, mais de oitocentas famílias, tinham abandonado as suas residências por estarem submersas nos povoados de Chindjinguir, distrito de Homoíne, e Inhassune, no vizinho Panda.

Na vila de Homoíne, o problema de erosão agravou, tendo inclusive afectado os tubos de canalização que distribuem água à população. Actualmente, são mais de três mil pessoas desprovidas de água potável naquela vila, na sequência da destruição da referida tubagem que garantia o fornecimento do precioso líquido.

O administrador de Homoíne, João Barreto, sublinhou que, se a chuva continuar a “incomodar”, mais estragos poderão surgir.

Acrescentou que, por causa da chuva, as obras de reabilitação da estrada que liga a vila sede a cidade da Maxixe estão paralisadas e noutras vias as crateras estão cada vez mais a aumentar.

Em Panda, o cenário é um pouco grave com a interrupção da circulação rodoviária nas estradas que ligam a vila sede com o vizinho distrito de Inharrime e com a localidade de Urene.

 A administradora de Panda, Maria Celeste, disse que estão a ser envidados esforços no sentido de reabilitar os troços com cortes “mas como as precipitações continuam, este trabalho pode durar muito tempo” disse Maria Celeste.

Entretanto, equipas multi-sectoriais trabalham nos distritos susceptíveis a cheias no sentido de sensibilizar a população para abandonar as zonas de risco, ao mesmo tempo que estão a ser alocados meios para acções de salvamento.

As atenções estão mais viradas para Govuro, onde o INGC – Instituto Nacional de Gestão de Calamidades –  montou o seu quartel general.

A Cruz Vermelha de Moçambique (CVM), Delegação de Inhambane, despachou para aquele distrito localizado nas margens do rio Save, mais de cinquenta voluntários para a sensibilização da população por forma a retirar-se das zonas baixas para lugares seguros, já que o caudal daquele curso de água está a aumentar cada dia que passa.

As pessoas, sobretudo da vila de Nova Mambone, estão a ser retiradas para o centro de reassentamento de Mahave, local considerado seguro, onde aliás, foram acolhidas as vítimas das cheias do ano 2008.

Na retirada das pessoas, a prioridade vai para crianças, idosos e deficientes – pessoas essas que já se encontram no centro de Mahave até ao abrandamento da situação.

Os técnicos da CVM têm outra missão, de instruir a população para o reforço das medidas de higiene colectiva e individual de forma a evitar a eclosão de doenças diarreicas.

A Cruz Vermelha de Moçambique (CVM) em Inhambane, tem disponíveis cem lonas para a construção de latrinas, igual número de kites de abrigo e duzentas redes mosquiteiras para responder a possíveis necessidades.

Já o INGC colou em Nova Mambone duas embarcações e algumas tendas gigantes e outros mantimentos.

Os apelos entretanto continuam no sentido de a população estar precavida acompanhando os avisos que estão a ser emitidos pela comunicação social e comités locais de gestão de risco de calamidades já reactivados em todos distritos de Inhambane.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.

Artigos Relacionados

Botão Voltar ao Topo