Editorial

Um mal silencioso que destroça vidas

Há sorrisos que escondem dores maiores do que o mundo. Em silêncio, dezenas de mulheres padecem deste mal que, por razões diversas, sem aviso, apossa-se e destrói vidas. Muda destinos. Muda paradigmas e aniquila relações matrimoniais e familiares. Amigos afastam-se. A solidão toma conta da vida e, em casos extremados, há quem decida pôr fim a tudo de forma radical. É que a dor na alma supera, bastas vezes, a dor física. As fístulas, como se sabe, podem ir desde um pequeno orifício, por onde a mulher perde constantemente urina, a uma destruição prolongada da bexiga, da vagina, do recto, períneo e esfincteres, levando à perda de fezes, dificuldades para caminhar. As fístulas comprometem grandemente a condição feminina. A possibilidade de engravidar é reduzida a zero.

Romantismos à parte, estas complicações resultam fundamentalmente da minguada rede de atendimento ao parto baseada em factores sociais, políticos, culturais e económicos. Importa referenciar que a gravidez precoce é um elemento determinante para a subida do número de afectadas pelo mal. Adicione-se também, para além do trabalho de parto prolongado, lesões cirúrgicas acidentais relacionadas com a gravidez e procedimentos invasivos para induzir o aborto. Estes factores agravam-se nas zonas rurais.

O problema físico tem consequências psicológicas devastadoras. Por causa da doença, as vítimas muitas vezes nem sentem as necessidades “descerem”, o que causa um odor forte que repele familiares e amigos, para além dos cônjuges. Assim, estas mulheres vivem em constante confronto com a rejeição generalizada. Do ponto de vista psicológico, estas mulheres vêem-se, assim, confrontadas com o estigma resultante das complicações das suas mazelas, que, muitas vezes, resultam das limitações do nosso sistema de saúde e que as afasta do trabalho e do convívio social. Nessa condição, as mulheres são afastadas dos seus locais de trabalho, estigmatizadas, incompreendidas e, nalgumas vezes, tratadas de forma deshumanizante. Leia mais…

Foto de Jerónimo Muianga

Artigos Relacionados

Veja Também
Fechar
Botão Voltar ao Topo