Economia

Potencial económico exibido a partir de amanhã

Texto de Angelina Mahumane e Fotos de Jerónimo Muianga

O Presidente da República (PR), Filipe Jacinto Nyusi, procede, amanhã, à abertura da quinquagésima primeira (51ª) edição da Feira Internacional de Maputo (FACIM). Esta cerimónia terá lugar em Ricatla, distrito de Marracuene, província de Maputo.

Arranca, amanhã, em Ricatla, na província de Maputo, a maior montra económica do país que será presidida, pela primeira vez, pelo Presidente da República, Filipe Jacinto Nyusi. O certame, que decorre pela quinta vez consecutiva naquele espaço, contará com a presença de diversos expositores nacionais e internacionais, produtores e representantes de marcas e patentes de produtos. 

A feira vai decorrer sob o lema “Promovendo o potencial económico de Moçambique independente”. O programa de abertura vai começar com o corte de fita, seguido de visita aos pavilhões, nomeadamente, Moçambique, Descubra Moçambique, Nachingweia, Guaza Mutini, Matchedje e Chai. Logo depois da visita, Nyusi vai assinar o Livro de Honra, para depois proceder ao acto de galardoação dos Expositores do ano de 2014.

Seguirá a entrega de prémios aos três melhores classificados nas redacções e aos primeiros classificados nas exportações, nomeadamente, maior Exportador de Moçambique em 2014, maior Índice de Crescimento em 2014/2013 e prémio Revelação e Inovação, entre outros.

domingoapurou que se espera que a 51ª reflicta aquilo que são as prioridades definidas pelo governo para o presente quinquénio, nomeadamente, promover a industrialização orientada para a modernização da economia e para o aumento das exportações.

Por outro lado, foi alterado o visual externo da FACIM, o que deixou espaço com um visual mais apelativo, com vista a levar os visitantes a passear, dentro do espírito que os organizadores pretendem demonstrar tendo em conta as prioridades de governação.

Aliás, uma das novidades para a presente edição é a sinalização rodoviária nos parques de estacionamento, que consistiu na colocação de semáforos para regular a entrada e saída de viaturas e também placas de indicação de sentido. O mesmo aconteceu dentro do recinto da feira, onde estão afixadas placas com a localização dos pavilhões.  

Durante a nossa ronda para ver como decorriam os últimos preparativos para a feira, encontramos Albano Ferreira, que está em Moçambique desde 1999 e perdeu a conta das vezes que participou das exposições. “Vou trazer equipamentos de pesagem electrónicos. Já tenho muita experiência em termos de participação. Devo dizer que melhorou o aspecto físico, mas o comercial e financeiro nem tanto. Temos que continuar a lutar”.

Por outro lado, Ana Costa, da Tizema Mármores, disse que leva para esta edição da FACIM produtos à base de mármores para cozinhas, casas de banho, mosaicos, solares de casa, chão. Alguns feitos com alumínios, churrasqueiras, jardins, vasos, fontes que servem para embelezar o exterior da casa, para além de bancadas e móveis da cozinha e guarda-fatos.

É a segunda vez que participamos. No ano passado tivemos bons resultados, para esta edição estamos a fazer uma feira mais arrojada, com mais materiais, melhor disposição para dar destaque às diferentes áreas da nossa empresa e esperamos que corra ainda melhor e que depois tenhamos novos clientes na nossa fábrica”, sublinhou.

Enquanto os expositores finalizavam os detalhes para o arranque da feira, era possível encontrar jovens provenientes de diversas artérias da cidade e província de Maputo que estavam à procura de oportunidades de emprego. A nossa Reportagem encontrou Lurdes Ernesto e Arminda Mondlane que ouviram de uma amiga que podiam arranjar trabalho na FACIM. “Se conseguirmos trabalho para estes dias já será alguma coisa. Soubemos de uma amiga que esteve aqui antes e foi admitida para as limpezas e acreditamos que também teremos a mesmo sorte. Saímos do bairro 25 de Junho”.

Quem também espera que o seu negócio dê um salto durante estes dias é Marta Francisco, residente nos arredores de Ricatla, que vende refeições mesmo na entrada do espaço da FACIM. Segundo conta, durante a semana passada, registou algum movimento, mas ainda não era o esperado.

Os nossos clientes são os trabalhadores responsáveis pela montagem de equipamentos, seguranças e diversas pessoas que estão à procura de trabalho que chegam a ficar todo o dia à espera dessa oportunidade. Se o movimento justificar a partir de amanhã vou trabalhar com o meu marido”.

PAÍSES E EMPRESAS EM ALTA

Consta que a participação de empresas nacionais e estrangeiras, bem como de países para a presente edição da FACIM aumentou. Até ao momento, foram confirmadas duas mil e 250 empresas nacionais, contra mil e 975 do ano passado. Também estão inscritas 680 empresas estrangeiras, contra 650 do ano passado.

Em termos de participação de países, foram confirmados 31 países inscritos, contra 26 da última edição. Espera-se um universo de visitantes na ordem de 85 mil.

Para esta edição, quatro pavilhões serão totalmente preenchidos por países e empresas estrangeiras. No pavilhão Nachingweia estarão albergados países como Alemanha, Brasil, Coreia do Sul, Macau, Ilhas Reunião, França, Indonésia, Polónia, Suécia, Finlândia, Islândia, Noruega, Dinamarca e a Holanda.

O pavilhão Gwazamutine estará ocupado por Portugal e Espanha. Enquanto isso, o Madjedje será preenchido pela Itália e no Chai estão países como a África do Sul, Botswana, China, Dubai, India, Malawi, Sudão do Norte, Swazilândia, Tanzânia, Turquia, Vietname, Zâmbia e Zimbabwe. A Coreia do Sul participa pela primeira vez no certame.

Os pavilhões Moçambique e Ricatla irão albergar todas as províncias com todas as suas potencialidades e todas as suas oportunidades de negócio. É onde encontramos a expressão máxima do princípio de adição de valor aos produtos, promovendo a industrialização do nosso país.

No pavilhão Congua, estarão albergados ministérios e instituições públicas que têm como principal função apoiar o comércio e investimento com vista à melhoria do ambiente de negócios para o desenvolvimento das actividades económicas no país.

O pavilhão “Descubra Moçambique” vai albergar a Feira de Turismo acolhendo cerca de 40 expositores nacionais e estrangeiros. O Pavilhão Metical alberga instituições financeiras, bancos, correctoras de seguros, entre outros.

Em relação aos seminários que vão decorrer durante a semana, destaque vai para os específicos sobre o quadro legal e apoio aos potenciais investidores interessados investir no país.

De salientar que a partir da sexta-feira serão realizados espectáculos com a participação de artistas da velha e nova geração. Com destaque para Dilon Ndjindji, Grupo RM, Stewart Sukuma, António Marcos, Pureza Wafino, Domingas e Belita, Kaliza, Magid Mussá, grupo Djaka, Tabazil, Liloca, Ziqo, entre outros.

Angelina Mahumane

vandamahumane@gmail.com

Fotos de Jerónimo Muianga

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos Relacionados

Botão Voltar ao Topo