DestaqueNacional

Não tinha como me recusar a assinar os documentos

Lucas Ponderante está a ser ouvido pelo assistente do MP, a Ordem dos Advogados  de Moçambique (OAM), representada pelo advogado Flávio Menete, e afirma que assinou os documentos em obediência a instruções superiores as quais não se podia recusar.

“Sendo uma instrução superior não tinha que regredir a essa instrução. Mas consultava ao meu superior, como disse antes para ter o conforto”, disse.

Artigos Relacionados

Botão Voltar ao Topo