Desporto

Maxaquene no Songo e clássico no Costa do Sol

 

A deslocação do Maxaquene ao Songo e a recepção do Costa do Sol ao Ferroviário de Maputo capitalizam a conclusão da sexta jornada do “Moçambola” em disputa desde a tarde de ontem.

É um Maxaquene guloso aquele que se vai apresentar no Songo, liderando a classificação com doze pontos, dobro do HCB, em nono lugar e com motivos bastantes para não dormir descansado.

Na jornada anterior, os “tricolores” bateram o 1° de Maio por dois a zero, enquanto o conjunto de Artur Semedo sucumbia em Quelimane perante o Ferroviário por um a zero.

Por isso e pela história, adivinha-se mais uma tarde complicada para a turma anfitriã, longe de mostrar-se um sério candidato ao título como se propunha.

Arlindo Nuvunga vai apitar o desafio, assistido por Teófilo Mungói e Osvaldo de Jesus, sendo César Colar quarto árbitro.

À beira da praia do Costa do Sol, a turma de Nélson Santos, com apenas cinco pontos em cinco jornadas, recebe um Ferroviário de Maputo menos pressionado e com ganas de fazer muito melhor que em 2014.

Já escrevemos aqui e repetimos que o treinador do Costa do Sol começa a ter pouca margem de manobra e uma derrota hoje empurra automaticamente os “canarinhos” para a zona sombria da classificação.

O empate do Costa do Sol em Nacala frente ao Ferroviário só veio aumentar a preocupação da família “canarinha”. Já o Ferroviário segue com relativa tranquilidade na terceira posição com nove pontos e ainda com menos um jogo.

A Comissão Nacional de Árbitros de Futebol (CNAF) indigitou o experiente Ainad Ussene para dirigir o desafio, assistido por Amisse Djuma e Pedro Madala, sendo Simões Guamba quarto árbitro.

O campeão nacional, Liga Desportiva, onze pontos, tem deslocação complicada mas não de todo assustadora a Gaza para enfrentar o Clube do Chibuto, no modesto décimo lugar com cinco pontos.

Parece que o mau início da temporada da Liga já lá vai e as vitórias e os golos estão de regresso. Que o diga o atrevido Desportivo de Nacala que apanhou “chapa” cinco jornada passada, quando o Chibuto arrancava um nulo na deslocação a Vilankulo para enfrentar o ENH FC.

Na terra dos “guerreiros” o apito será soprado por Aureliano Mabote, coadjuvado por Júlio Muianga, Carlos Manuel e Mário Tembe (quarto árbitro).

Na capital provincial de Sofala, o Ferroviário da Beira, derrotado pelo sue homónimo de Nacala por um a zero na quarta-feira, tem oportunidade de regressar às vitórias na recepção ao “lanterna vermelha” ENH FC.

Os “locomotivas” somam seis pontos em quatro jogos contra quatro pontos do ENH FC em cinco partidas.

O árbitro principal será Zefanias Chijamela, assistido por João Paulo Nhatuve e Cláudio Macamo, cabendo a função de quarto árbitro a Manuel Castigo.

Em Nacala, o Desportivo local, nove pontos, recebe Ferroviário de Nampula, seis pontos, a dar sinais de recuperação depois dum início fraudulento.

Já se sabe que em Nacala as equipas anfitriãs estão proibidas de perder pontos pelos adeptos e esse factor servirá, certamente, de catalisador para a turma de Arnaldo Ouana. Mas não será nada fácil porque Rogério Gonçalves orienta um Ferroviário de Nampula perigoso e competente.

Inácio Sitoe será o árbitro, coadjuvado por Mário Albino e Ali Raja Omar, sendo Alberto Atumane quarto árbitro.

Em Quelimane também está agendado um atractivo embate entre 1° de Maio e Ferroviário de Nacala, com cinco e sete pontos, respectivamente.

Depois de surpreender quarta-feira o seu homónimo da Beira no “Chiveve”, o treinador dos forasteiros, Sérgio Faife, deseja certamente repetir a proeza para sossegar a exigente plebe de Nacala.

Bom jogo em perspectiva a ser dirigido por Sérgio Rumbane, assistido por Baltazar Nhacume, Adão Tchucana e Domingos Manica (quarto árbitro).

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos Relacionados

Botão Voltar ao Topo