Desporto

FMF exige celeridade no licenciamento dos clubes

A Federação Moçambicana de Futebol (FMF) quer maior celeridade dos clubes no seu licenciamento, uma exigência internacional imposta pela FIFA.

Os clubes participantes no “Moçambola” 2015 e nos campeonatos provinciais são obrigados a licenciarem-se junto da FMF, uma obrigatoriedade inegociável e que poderá ter custos para o país caso não seja cumprida à risca.

No entanto, a maioria dos clubes nacionais não tem respondido afirmativamente à solicitação da federação, muito por culpa da incapacidade de reunir os requisitos exigidos para o licenciamento.

Uma das exigências que embaraça os clubes é a obrigatoriedade de apresentação de infra-estruturas desportivas em condições para treinos e jogos, havendo colectividades que se treinam e recebem adversários em terrenos emprestados.

Por outro lado, é exigido aos clubes a apresentação de balancetes bancários auditados, uma prática rara mesmo nos principais clubes de Moçambique.

Há ainda a obrigatoriedade dos clubes movimentarem os escalões de formação e apresentarem as reais condições em que os petizes jogam, como técnicos qualificados e infra-estruturas próprias.

A FMF estipulou que os clubes deviam licenciar-se até sexta-feira passada, mas ontem, conforme apurámos, poucos clubes haviam submetido documentação para o efeito.

De resto, há longos anos que o presidente da FMF, Feizal Sidat, vem reclamando que em Moçambique existem mais equipas do que clubes e agora chegou a vez de transformar essas equipas em clubes.

A direcção da FMF criou uma Comissão de Licenciamento para facilitar a vida aos clubes, mas, mesmo assim, o desafio continua longe de ser conquistado.

Em Fevereiro passado, a FMF promoveu um seminário de capacitação dos dirigentes dos clubes do “Moçambola” sobre a matéria, ainda assim, os resultados são insatisfatórios.

Tal como referiu o Vice-presidente da FMF, Amir Gafur, os clubes tinham até sexta-feira o prazo para o envio de seus processos à comissão de licenciamento para a respectiva análise.

– Em relação a inscrição de jogadores, notamos que os clubes enviam os processos tardiamente, criando embaraços de ordem funcional à federação, uma vez que os processos de inscrição de jogadores inicia-se em Dezembro, com o sistema biométrico coordenado pela FIFA, e que esse relógio é aberto e encerrado pela FIFA.

Gafur chamou atenção aos clubes participantes no “Moçambola” para cumprirem com a lei de contratação de jogadores e técnicos estrangeiros para evitar transtornos.

– Atrai-nos particular atenção os clubes do Moçambola para o cumprimento da lei de contratação de jogadores estrangeiros bem como a regularização prévia das questões relacionadas com o Ministério do Trabalho para evitar os transtornos que se verificaram nos anos passados.

Aquele dirigente lembrou aos clubes a necessidade de movimentarem, de facto, os escalões de formação, uma vez serem o garante do futuro futebolístico de Moçambique.

– Exortamos os clubes para implementarem escalões de formação visto que serão o garante do futuro, os clubes serão mais fortes e competitivos se tiverem boa formação.

Também apelou aos dirigentes dos clubes para investirem na formação de seus treinadores, lembrando que a federação promove anualmente cursos de capacitação dos técnicos.

– A federação está a promover na Namaacha um curso de treinadores de Nível A e ainda este ano haverá outros cursos bem como para a atualização de árbitros. Apelamos aos clubes para submeter seus técnicos à formação.

No entender de Amir Gafur, um verdadeiro clube é aquele que possui sócios, simpatizantes e infra-estruturas que beneficiam os seus integrantes.

– Resgatem a essência dum verdadeiro clube, que dispõe de infra-estruturas para os associados usufruírem. Um clube forte é aquele que tem muitos sócios.

Austral Seguros renova

apoio ao “Moçambola”

A Austral Seguros e a Liga Moçambicana de Futebol (LMF) renovaram o contrato de parceria rubricado há dois anos até o final do “Moçambola” 2016.

O acordo está avaliado em 150 mil dólares, sendo metade do valor para cada época. No âmbito do entendimento, a empresa seguradora vai continuar a ocupar-se dos seguros dos intervenientes do campeonato nacional.

Bernardo Cumaio, presidente do Conselho de Administração da Austral Seguros, disse que o apoio ao “Moçambola” está a valer a pena.

– Renovamos o apoio por mais dois anos, o que significa que continuaremos a fazer a cobertura de seguros para os atletas e dirigentes do “Moçambola”, e outros riscos que possam acontecer nos anos 2015 e 2016. Sentimo-nos realizados por contribuir para o desenvolvimento do desporto moçambicano, todos somos chamados a contribuir, pensamos que é uma contribuição que dá para desenvolver o futebol.

No entender daquele dirigente, o “Moçambola” é um movimento de massas, de saúde, “dai fazer todo sentido nos juntarmos para contribuir no bem-estar da juventude e na alegria do povo moçambicano”.

– Sentimos que o primeiro patrocínio valeu a pena, deu para catapultar o Moçambola para outros níveis, esperamos no final de 2016 ter mais alegria.

 Por sua vez, o presidente de direcção da LMF, Alberto Simango Jr., observou que a renovação do contrato é sinal claro de que o futebol está a interessar muita gente.

– Quando terminamos desta forma é algo gratificante, é sinal de confiança que a empresa mostra em relação ao nosso projecto, é motivo de orgulho para nós desportistas porque fazemos algo que interessa a outros agentes.

Clubes da Zambézia

prometem espectáculo

.Ferroviário e 1° de Maio de Quelimane garantem festa nos campos

Os clubes Ferroviário e 1° de Maio de Quelimane, representantes da província da Zambézia no “Moçambola” 2015, prometem transformar os campos locais em desmancha-prazeres para os adversários e palcos de inesquecíveis memórias para os naturais e residentes.

O sorteio do campeonato nacional ditou uma estreia forasteira do 1° de Maio, no Chibuto, enquanto o Ferroviário vai jogar em Quelimane com o seu homónimo de Maputo.

A despeito das dificuldades que espera no ano de estreia, o 1° de Maio alimenta sonhos maravilhosos e uma manutenção tranquila no campeonato.

Tal como referiu ao domingo o Secretário-Técnico daquele clube, José Lobo, no “Moçambola” teremos um 1° de Maio aguerrido e com suficiente ambição para complicar todos adversários.

–  Terão um 1° de Maio novo em todos os aspectos, estamos a falar dum campeonato onde as responsabilidades são mais acrescidas, acreditamos que com um pouco mais de organização poderemos superar as adversidades que surgirem. Este é um clube que está a nascer do nada, e neste momento estamos a organizar melhor a nossa direcção, não temos grandes incentivos financeiros, existe muita boa vontade dos jovens do plantel, trabalhamos com a equipa técnica e esclarecemos que não há grandes valores financeiros.

Lobo insiste que a prova exige muita responsabilidade e o clube está a acautelar-se em todos os aspectos para lograr um campeonato saudável. “Desejamos uma manutenção o mais cedo possível, temos uma rapaziada que quer fazer nome, acredito que temos um bom plantel”.

– O ambiente actual é saudável, o treinador principal já tem larga experiência apesar de ser no campeonato provincial, não acontece com seus adjuntos, por isso terá que transmitir seus subsídios aos seus assistentes.

O dirigente diz que a preparação da equipa para o campeonato nacional “foi boa” e a equipa melhorou significativamente nos seus movimentos. “Vencemos a supertaça contra o Ferroviário, já com experiência no Moçambola. Vamos afinar a máquina através de alguns jogos de controlo para entrarmos bem no campeonato”.

Ao contrário doutras paragens, Quelimane não tem falta de campos relvados para os jogos do campeonato nacional. O desafio é somente adaptar-se ao piso sintético do Ferroviário.

– Neste momento temos dois campos para o “Moçambola”, o do Sporting onde se jogou ano passado, e o do Ferroviário, este com relva sintética. O mais importante é nos adaptarmos ao novo piso, vai levar algum tempo mas estamos optimistas.

O primodivisionário está também a preparar-se para garantir segurança, numa altura que episódios de vandalismo se multiplicam nos campos de futebol.

Estamos a falar de adeptos, são eles que trazem emoções, mas Quelimane nunca foi uma cidade de agressões, vandalismo nos campos, vamos reforçar a segurança, ano passado adeptos que vinham de fora é que provocaram alguns distúrbios, vamos trabalhar com a polícia para que nada de mal aconteça nos nossos recintos– prometeu Lobo.

Assumiu que o “campeonato nacional é uma festa grande, acredito que estamos preparados da melhor maneira possível. A Zambézia chorou doze anos, estamos a falar de duas equipas, tudo faremos para ser uma grande festa”.

Prometemos melhor que 2014

– Bernardo Gonçalo, presidente do Ferroviário de Quelimane

A direcção do Ferroviário de Quelimane augura um campeonato melhor relativamente ao de 2014. Uma confiança alicerçada nas condições de trabalho criadas para a equipa este ano.

Bernardo Gonçalo, presidente de direcção dos “locomotivas”, notou que a equipa vai entrar em força no campeonato, fruto do trabalho desenvolvido durante o defeso.

Pensamos que vamos entrar com toda força, fizemos algum recrutamento que vai ajudar bastante, as condições melhoraram, está tudo a postos para um bom arranque. A supertaça perdida para o 1° de Maio não nos preocupa, foi um jogo de treino, não nos preocupa, o treinador não utilizou os seus melhores jogadores, estava a testar parte da equipa.

O dirigente fala de Nacir Armando como um mágico que lhe basta um estalar de dedos para manter a equipa no escalão principal. “É um treinador credenciado e com provas dadas”.

– Ano passado chegou ligeiramente tarde, mesmo assim montou uma boa equipa. Este ano conhece as pessoas que vão trabalhar com ele, começou a época mais cedo, é a pessoa indicada para manter o Ferroviário no Moçambola e este ano pensamos que tem melhores condições porque conhece melhor a casa.

Indagamos o líder do Ferroviário as razoes da demora das obras de reabilitação do campo, sobretudo nos balneários, tribuna e bancadas, tendo respondido com confiança.

– Jogar no próprio campo muda muita coisa, estamos empenhados na reabilitação das infra-estruturas adjacentes ao campo, até 14 de Março teremos tudo reabilitado, estamos na fase final por isso estamos convencidos que vamos fazer o melhor trabalho.

Gonçalo afiançou que no quesito túnel de acesso ao relvado, o clube está a seguir as orientações da Liga Moçambicana de Futebol. “Muita coisa melhorou, nomeadamente a protecção do campo, túnel, as portas dos balneários e a bancada central”.

– Também estamos a trabalhar na área de segurança, já indicamos uma figura, independentemente da polícia, vamos solicitar a polícia consoante a dimensão do jogo, é nossa preocupação garantir a segurança dos adeptos. O Moçambola é a festa do povo, encaramos a competição com responsabilidade, vamos alegrar não só os nossos adeptos, mas os zambezianos em geral.

Delegados em selecção

A Liga Moçambicana de Futebol (LMF) procede até próxima quarta-feira, 11, a selecção de delegados para o “Moçambola” 2014 que se inicia próximo sábado, em Vilankulo.

O processo teve início no dia 04 passado e abrange todas provinciais que vão acolher a prova.

À semelhança da época passada, serão selecionados através de concurso público 22 delegados para assegurar os aspectos técnicos e organizativos que antecedem as partidas. Maputo terá oito delegados enquanto outras cidades e vilas terão dois cada.

Os concorrentes a delegados devem possuir no mínimo a 12ª classe do sistema nacional de educação e ainda um currículo desportivo de futebol como árbitro nacional, dirigente ou atleta.

 Custódio Mugabe                                                                              

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos Relacionados

Botão Voltar ao Topo