Bula Bula

Toda a maldade começa em algo verdadeiramente inocente

Os resultados – ou melhor – os não resultados das eleições na Federação Moçambicana de Futebol já começaram a fazer mossa. Como se sabe, Alberto Simango Jr. levou a melhor deixando para trás outros peso-pesados (Teodoro Waty, Manuel Chang e Enoque João) que estavam na corrida pela cadeira dourada da “Fonte Azul”. O fair-play manda os não escolhidos a felicitarem o vencedor. Assim o fizeram… publicamente.

O que espanta a Bula Bula é que passadas algumas horas depois do escrutínio, 9 presidentes das Associações Provinciais de Futebol, dos 11 que participaram na votação, foram intimados a abandonar o local de hospedagem (Hotel Maputo). Importa referir que os aludidos expulsos são de fora de Maputo… lógico os de Maputo província e cidade continuam nas respectivas residências.

Seduzidos e abandonados é o que se pode dizer. Vieram a Maputo á expensas da Federação Moçambicana de Futebol e era suposto por cá continuarem até a tomada de posse do novo elenco. Se assim pensavam, na manhã de ontem tiveram que mudar de ponto de vista diante da ordem de despejo. Rua sem apelo nem agravo.

As más línguas dizem que a ordem de expulsão é consequência directa de não terem votado numa determinada lista. Bula Bula acha muito estranho que assim seja. Expulsar alguém do hotel só porque não votou em sicrano cheira a chantagem pura e dura. É mais ou menos do tipo: ou danças a minha música ou estás tramado. Os coitados que afinal vieram a Maputo representar e votar de acordo com a vontade dos respectivos associados provinciais deviam afinal ter optado por trair as suas associações para poderem permanecer no hotel e ainda por cima com algumas benesses?

Para o mal ou para o bem, os 9 sacrificados foram já alojados no Hotel 2001. Não se sabe bem ainda quem vai pagar a factura mas o mais importante é que já estão em lugar seco e fresco. Uma alma caridosa – parece que foi o próprio Alberto Simango –  quando soube da expulsão fez-se ao terreno e prontificou-se em safar os “prevaricadores”…

Bem… o que se sabe é que não é por falta de mola na Federação Moçambicana de Futebol que os Homens foram corridos. Feizal Sidat disse que deixa os cofres da FMF com 11 milhões de meticais… taco suficiente para pagar as despesas de alojamento dos presidentes e ainda sobrar bastante para comprar chupa-chupas para os Mambas.

Bula bula espera que os presidentes das associações tenham aprendido a lição mas mesmo assim faz questão de lembrar que as pessoas mais perigosas não são as que assumem seus actos, os ditos destemidos e sim as que atiram a culpa dos seus erros nos outros. Muito cuidado com quem não assume o que faz, certamente essa não é uma pessoa que mereça confiança ou como diria Ernest Hemingway “toda a maldade começa em algo verdadeiramente inocente”.

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Artigos Relacionados

Veja Também
Fechar
Botão Voltar ao Topo