Gosto desta frase de Hugo Schlesinger: “Quem tem esperança sabe que nenhuma tristeza é eterna. Sabe que, após a chuva, virá o sol. Que amanhã será outro dia, cheio de surpresas e de boas novidades”.

Nesta frase parece estar sentado o meu destino. Dois dias tinham passado eu a viver a vida de prostituta, o suficiente para o mergulho no mundo de contradições e vícios. Insisti, mesmo assim, em tragar emoções difíceis, pautadas no lucro rápido, feroz.

Calhou-me uma sexta-feira 13. O dia não era mesmo para mim. Não havia homens nem dinheiro. Cansei-me de desfilar à busca do nada. Sentei-me num café, bem pertinho da montra, e troquei impressões com as minhas colegas. Uma delas, a Julieta, grávida de quatro meses, disse-me que ia à rua naquele estado porque há homens que gostam. “Dizem que estou quente”, explicou.

A Amélia, outra rapariga na montra, contou-me que deixa o seu bebé de dois meses com a empregada, correndo para a rua para obter dinheiro para comprar leite a fim de alimentá-lo. 

 

A história da Rute é bem mais complicada. Ela é casada. Vai prostituir-se e o marido não sabe. “Ele come do bom e nem pergunta de onde vem o dinheiro”, disse.

Texto de Bento Venâncio

This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Câmbio

Moeda Compra Venda
USD 63,6 64,83
ZAR 4,56 4,65
EUR 71,57 72,96

11.04.201Banco de Moçambique

Quem está Online?

Temos 312 visitante(s) ligado(s) ao Jornal

+ lidas