A devastação do mangal no país tem vindo a merecer atenção do Governo, sociedade civil e de especialistas em meio ambiente que, insistentemente, têm procurado estratégias para aprimorar a prevenção desta floresta marinha, em risco de extinção.

Trata-se de cerca de trezentos mil hectares de mangais, distribuídos em todo o país, que correm o risco de desaparecer devido à acção humana, nomeadamente o abate das plantas para a produção de carvão, lenha, barcos e comercialização de estacas para a construção civil.

Em Maputo, por exemplo, na zona da Costa do Sol, o mangal é cortado para dar lugar à construção de edifícios.

Além de Maputo, as outras províncias mais críticas em termos de devastação são Zambézia e Sofala, no Centro, e Nampula, no Norte. Para discutir sobre a preservação e reflorestamento da vida marinha, o Governo de Moçambique reuniu recentemente em Maputo com organizações não-governamentais que actuam na área marinha e costeira e especialistas em meio ambiente.

Texto de Idnórcio Muchanga
idnóThis email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.
Pub

Câmbio

Moeda Compra Venda
USD 58,6 59,76
ZAR 4,06 4,14
EUR 67,41 68,76

21.08.201Banco de Moçambique