INDICADORES MACROECONÓMICOS: Misto de optimismo e cautela nas perspectivas para 2018

Texto de Angelina Mahumane

This email address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it.

Apesar dos ganhos macroeconómicos alcançados no ano prestes a findar, como resultado das medidas adoptadas pelo Banco de Moçambique (BM), a antevisão da economia moçambicana para 2018 é feita com cautela, muito por conta dos riscos prevalecentes na conjuntura quer doméstica, quer internacional.

Ao fazer o balanço de 2017, o Governador do Banco Central, Rogério Zandamela, olha para o futuro e chama a atenção para a necessidade de envolvimento de todos - sistema financeiro, empresas e Governo - para vencer os riscos que se vislumbram a curto e médio prazos, que podem pôr em causa os resultados até aqui alcançados.

Prudente também são as perspectivas feitas por alguns actores do sistema financeiro nacional, que assumem que 2018 vai ser um ano de muitos desafios exigindo, por isso, uma conjugação de esforços de todos.

Segundo Zandamela, os desafios para a materialização dos objectivos macroeconómicos incluem a manutenção de uma paz duradoura, continuação dos esforços de consolidação fiscal já iniciados com o recente pacote de racionalização de despesas, não ocorrência de choques climáticos e a estabilidade dos preços de mercadorias no mercado internacional.

Aliás, para 2018 a política monetária será orientada para a manutenção de uma inflação baixa e controlada ao nível de um dígito. Mesmo assim, haverá espaço para que este indicador seja suficientemente flexível e descomprimido, o que vai contribuir para que o sector privado seja o principal beneficiário dos poucos recursos financeiros que o sistema possui.

A materialização desta medida vai representar o esforço conjunto dos moçambicanos para a retoma, a breve trecho, da economia.

Em relação ao sector financeiro, o BM vai continuar a reforçar a vigilância macroprudencial para monitorar potenciais riscos que podem afectá-lo, bem assim a microprudencial para que todas as instituições observem as boas práticas internacionais e cumpram com as recomendações e normas.

Leia mais...

Pub