Turismo não deve comprometer recursos naturais

Texto de Benjamim Wilson

O Primeiro-ministro, Carlos Agostinho do Rosário, defendeu ontem, em Maputo, que a exploração das vantagens do turismo baseado na natureza não deve comprometer a disponibilidade de recursos naturais para a subsistência das gerações vindouras.

 

Falando no encerramento da Conferência Internacional sobre Turismo baseado na Natureza, o Primeiro-ministro disse haver necessidade de se assegurar a sustentabilidade dos projectos nas áreas de conservação, através do envolvimento do empresariado nacional, particularmente das pequenas e médias empresas, no âmbito da promoção do conteúdo nacional.

Tal como realçou aquele governante, as sinergias e parcerias mutuamente vantajosas entre o Governo, o sector privado, comunidades locais e parceiros contribuem para uma maior inclusão no acesso, uso e gestão dos recursos naturais de que o país dispõe.

Carlos Agostinho do Rosário frisou ser imperioso que os projectos turísticos a serem implementados nas áreas de conservação tenham em conta a necessidade de estabelecer parcerias e sinergias.

De referir que, durante os três dias daquela conferência, foi sublinhada a necessidade de se capitalizar as vantagens que o turismo baseado na conservação traz na diversificação da economia, na geração de emprego e no aumento da renda.

O Primeiro-ministro sublinhou ser importante que os diferentes actores envolvidos em acções de conservação da natureza continuem a privilegiar a participação das comunidades locais na implementação de projectos ligados ao turismo de conservação.

“A participação das comunidades locais garante maior inclusão, sentido de pertença, bem como confere sustentabilidade e sucesso nos projectos de turismo baseado na natureza. Quando envolvidas nos projectos de conservação da natureza, podem desempenhar um papel fundamental nas acções de prevenção e combate à caça furtiva e outras práticas que contribuem para a degradação do meio ambiente”, afirmou.

Realçou que Moçambique é um país acolhedor e aberto para investimentos na área de turismo baseado na natureza, sendo nessa base que têm sido desenvolvidas acções para melhorar o ambiente de negócios, com destaque para a simplificação dos procedimentos de licenciamento das actividades económicas, avaliação da possibilidade de introdução de um Balcão de Atendimento Único para projectos de investimento nas áreas de conservação, redução dos condicionalismos para a obtenção do visto de entrada nas fronteiras por forma a atrair mais turistas e aprofundamento dos mecanismos para a introdução do Visto Electrónico.

O governante desafiou os intervenientes na área do turismo de conservação a trabalharem no sentido de assegurar a efectiva materialização dos compromissos assumidos durante o evento e transformá-los em projectos concretos.

Manifestou a esperança do Governo assente na implementação deste conjunto de acções num clima de paz, associada à estabilidade macroeconómica em curso, para que possam contribuir para um ambiente cada vez mais favorável ao investimento privado, em particular para o turismo baseado na natureza.

Leia mais...

Pub