É difícil conciliar escola e futebol

Como se gere uma carreira de futebolista?

Quando se é jogador de alta competição é tudo fácil. Vais ao bar não pagas a cerveja que bebes, vais à discoteca tens tudo à disposição sem pagar, não compras sapatilhas, não compras calças, é tudo fácil, pior na África do Sul. Quando deixas de jogar, passas a ganhar o terço do que ganhavas ou nada e pagas aquelas despesas todas que não pagavas quando eras jogador. Os amigos fogem. Isso acontece mesmo com aqueles que no activo ganham muito. Na Inglaterra há profissionais que ganhavam muito dinheiro mas dois anos depois de terminarem as suas carreiras ficaram rotos.

Não é por não terem estudado?

Um antigo jogador pode estudar e ser doutor. Quem primeiro preferiu ser doutor já pode ser estrela de futebol e ganhar a vida como um Ronaldo, um Messi, um Neymar. Ou primeiro és estrela de futebol e depois doutor ou deixas o futebol e estudas para ser doutor.

Continua ligado ao Jomo Cosmos?

Eu e Zé Camargo criámos uma academia portuguesa. Eu era treinador de Sub-15. Depois a coisa não deu certo. Fui treinar uma equipa da terceira divisão, Luso África. Nessa altura eu no Jomo Cosmos treinava os Sub-15 e Sub-19 e fui fazer alguns cursos de treinador. Fiquei na formação porque não queria estar no banco com Jomo Sono, treinador e dono do clube, a dizer-me que isto é vermelho quando é verde e eu dizer sim. Fiz parte de um projecto de parceria com o Benfica, mas por causa das subidas e descidas de Jomo não avançou. Continuo lá como responsável da formação. Faço televisão num canal de que sou co-fundador, que é a outra parte do meu ganha-pão.

Optou por viver para sempre na África do Sul ou tem plano de regressar?

Tenho filhos já grandes, uma a concluir a universidade. Tenho três filhos, de 20, 17 e 5 anos de idade. Mas o que conta mais é o respeito com que as pessoas me tratam. Lá sou bem tratado. Aqui também sou, mas gostaria que fosse melhor. Tenho colegas aqui que hoje estão no esquecimento, o que muito me entristece. Ninguém lhes quer dar a mão.

É o nosso desporto…

Devíamos aproveitar o facto de não estarmos a jogar futebol profissional ao mais alto nível e fazermos muito mais coisas boas. Ninguém no mundo, que seja verdadeiro profissional da bola, consegue conciliar o futebol com a escola. Ronaldo não é doutor, Maradona não é doutor, Pelé nunca foi doutor. Nós podíamos aproveitar o futebol amador que temos aqui para fazermos aquilo que não se faz na verdadeira alta competição.

Não acha que aos nossos clubes falta dinheiro?

Que ninguém me venha dizer que os clubes moçambicanos são desorganizados, como estão desorganizados, porque não têm dinheiro. Agora eu pergunto: quando tiveram dinheiro na altura das mamadas do Governo, com Maxaquene nas LAM, Costa do Sol na EDM… fizeram o quê? Hoje reclamam dizendo que financeiramente estão mal. O que fizeram com o dinheiro que tinham? Eles são maus dirigentes. Que clube é esse que não tem dez bolas para a equipa sénior? Que clube é esse que não tem botas para onze jogadores? São coisas inadmissíveis no futebol de alta competição. 

Versão-Impressa


Editorial

Levar a sério a agricultura
domingo, 08 janeiro 2017, 00:00
No dia 24 de Julho de 2012, o Conselho de Ministros aprovou, em sessão ordinária, o Programa Nacional de Mecanização Agrária (PNMA), cuja base de... Leia Mais

Opinião

Desporto

Nacional

Breves

Sociedade

Reportagem

Cultura

Pub

Em foco

Temos 314 visitantes em linha

Banca de Jornais

Sociedade do Noticias
  • EconomiaEconomia
  • CulturaCultura
  • DomingoDomingo
  • DesafioDesafio
  • NotíciasNoticias

Conselho de Administração

António Matonse Presidente

Rogério Sitoe Administrador

Cezerilo Matuce Administrador